2002

Pátio 47 - Messiers, NGCs, Júpiter e Saturno Pátio 61 - Esboços de C/2002 O4, Messiers
Pátio 48 - Messiers e NGCs Belver - Vénus, Úrano, Esboço Messier 15, NGC 752
Pátio 49 - Júpiter Pátio 62 - Esboço de NGC 7331
Pátio 50 - Messier 50, NGC 2264, 2261, Saturno Pátio 63 - C/2002 O4 (Hoenig), Albireo, Mu Cephei
Aeródromo III - Conjunção de Júpiter com a Lua Pátio 64 - A luz da Terra
Pátio 51 - Asteróide Vesta em Touro Capuchos I - Conjunção Vénus com a Lua
Aeródromo III - Conjunção de Júpiter com a Lua Pátio 65 - Duas paisagens lunares
Observatório do Pinhal do Rei XX Pátio 66 - Cinco paisagens lunares
Pátio 52 - Messier 48 Sra. do Monte V - 2 ocasos
Observatório do Pinhal do Rei XXI Pátio 67 - Reiner Gamma e Wargentin
S.Pedro de Moel I - Conjunção Júpiter-Lua Pátio 68 - Mare Crisium
Pátio 53 - 7 dias, 7 Luas Pátio 69 - Proclus e Messier + Messier A
S.Pedro de Moel II - Cometa C/2002 C1 Ikeya-Zhang Outeiros - Vénus
S.Pedro de Moel III - Lua, Vénus e Cometa Ikeya-Zhang Pátio 70 - Montes Apenninus, Aristoteles, Clavius
Sra. do Monte I - Vénus e Cometa C/2002 C1 Ikeya-Zhang Pátio 71 - Clavius, Tycho, Ptolemaeus, Alphonsus
Sra. do Monte II - Cometa C/2002 C1 Ikeya-Zhang Pátio 74 - Duplo Enxame de Perseu e Plêiades
Sra. do Monte III - Lua Pátio 75 - A Lua com 9 dias (75.4%)
Sra. do Monte IV - Ocaso do Sol Pátio 72 - Conjunção Lua-Saturno
Aeródromo V - Conjunção de Vénus com a Lua Pátio 73 - Saturno
Aeródromo VI - Conjunção de Saturno com a Lua Pátio 76 - A Lua com 10 dias (83.0%)
Aeródromo VII - Conjunção de Júpiter com a Lua Pátio 77 - A Lua com 12 dias (95,0%)
Aeródromo VIII - O Grande alinhamento de Planetas Pátio 78 - A Lua com 14 dias (99,8%)
II Encontro Nacional de Astronomia (ENA) Pátio 79 - A Lua com 15 dias (97,5%)
Pátio 54 - Sol Pátio 80 - A Lua com 16 dias (93,7%)
Aeródromo IX - Cometa C/2002 F1 Utsunomiya Pátio 81 - A Lua com 19 dias (72,7%)
Aeródromo X - Cometa C/2002 F1 Utsunomiya Pátio 82 - A Lua com 20 dias (62,8%)
I Astromira Pátio 83 - A Lua com 21 dias (52,1%)
Observatório do Pinhal do Rei XXII Pátio 84 - A Lua com 22 dias (41,1%)
Observatório do Pinhal do Rei XXIII Pátio 85 - A Lua com 23 dias (29,8%)
Observatório do Pinhal do Rei XXIX S.Pedro de Moel IV - Pôr do Sol
Aeródromo XI - Conjunção Vénus com Júpiter Pátio 86 - Primeira luz fotográfica com a Nikon FM2
Aeródromo XII - Conjunção Vénus com a Lua Pátio 87 - A Lua com 11 dias (90.9%)
Pátio 55 - Primeira sessão com o Takahashi FC-60 Pátio 88 - Eclipse Penumbral da Lua
Pátio 56 - Estrelas duplas Pátio 89 - A Lua com 15 dias (99.1%)
Observatório do Pinhal do Rei XXV Pátio 90 - A Lua com 16 dias (96.3%)
Pátio 57 - Estrelas duplas Pátio 91 - A Lua com 17 dias (91.2%)
Quarteira I - Ocultação da kappa 98 Virginis Pátio 92 - A Lua com 19 dias (77.1%)
AstroVide 2002 Pátio 93 - A Lua com 22 dias (45.4%)
Quarteira II - Lua Cheia Pátio 94 - A Lua com 24 dias (22.3%)
Pátio 58 - Cometa C/2002 O4 (Hoenig) Capuchos II - Crescente Dourado
Aeródromo XIII - Conjunção Vénus com a Lua e ISS 1º ENIA - Mira
Ponto da Castrinha II - Perseidas, Cometa Hoenig Pátio 95 - Saturno a menos de 72 horas da oposição
Astrofesta 2002 - Nisa Pátio 96 - Saturno após a oposição e halo lunar
Pátio 59 - Cometa C/2002 O4 (Hoenig) Pátio 97 - Saturno e a Nebulosa do Caranguejo
Pátio 60 - Esboços de C/2002 O4 e planetária "Olho de Gato" Pátio 98 - Saturno e Júpiter

Pátio 47 - Messier 35, 44, 67, NGC 2158, 2392, 2420, 2775, Júpiter e Saturno

2002.01.06
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
01:00 ás 02:00 UTC
Magnitude zénite: 4+ (telescópio: 12) Antoniadi: III (estável-)
Temperatura: 10 graus. Céu parcialmente limpo. talvez nuvens altas

Dobson Brightstar Spacewalker 200mm f/6
Plossl 32mm (38x 78'), Panoptic 19mm (63x 64'), Nagler 9mm (133x 37'), Nagler 7mm (174x 28')
Sky Atlas 2000.0 (Tirion)

Primeira observação decente do ano, pois nem a meteorologia, nem a Lua e nem as chaminés dos vizinhos, têm colaborado muito. Nesta sessão em particular e por não estar frio, o céu estava bem menos poluído. O fumo chega a ser tanto a nível do chão, que não me aguento nem meia hora no pátio.

Saturno

A melhor observação das últimas 2 semanas. Além da divisão de Cassini e da banda equatorial, eram visíveis cinco dos seus satélites - Titan, Rhea, Thetys, Dione e Iapetus (este bem afastado).

Júpiter

Quando o comecei a observar, notei uma pequena pertuberância que era o egresso do satélite Io que e acabava naquele momento o seu trânsito - não consegui detectar a sombra. A banda equatorial norte apresentava um nódulo escuro e a GMV também não estava presente.

Gémeos (Gemini)

Enxame aberto Messier 35 (NGC 2168) mag 5.1 dim 28.0' classe III 2 m
Enxame impressionante, com muitas dezenas de estrelas, bastantes das quais são até bem brilhantes (para um enxame aberto). Embora a 66x e 1 grau de campo já fosse impressionante enchendo a totalidade da vista, a 38x e grau e meio é bastante mais óbvio como enxame. Lá perto estava o enxame NGC 2158. Está situado a 2200 anos-luz. Na imagem abaixo as estrelas mais brilhantes (abaixo), sao a eta e mu Geminorum.

Messier 35
Messier 35
8 seg. com focal ~100 mm a f/2.5 ISO 400

Enxame aberto NGC 2158 (H70) mag 8.6 dim 5.0' classe II 3 r
Este pequeno enxame arredondado e bastante difuso, está situado a apenas 30 minutos de arco do Messier 35, podendo-se até julgar que faz parte dele. Mas sua quase não resolução, de alguma forma o faz destacar da enorme concentração de estrelas na área. A difícil resolução tem uma explicação simples: está cerca de 6x mais longe que o Messier 35 (13000 anos-luz), sendo um dos enxames abertos mais longínquos que se pode resolver com telescópios pequenos.

Nebulosa planetária NGC 2392 (C39 D31 H97) "Eskimo Nebula" mag 9.2 dim 0.2/0.7 classe 3b(3b)
Uma das mais espectaculares planetárias que se encontra em exibição nesta altura no ano. É extremamente brilhante, especialmente o núcleo onde está a estrela central de 10.5 de magnitude. A nebulosa é redonda, tendo um tom cinzento-azulado e aparenta ter alguma "textura" especialmente se se magnificar bem (178x). A proximidade de uma estrela de 8.5, denuncia-a completamente a quem por lá passe inadvertidamente. A cara de esquimó ou palhaço só se revela em telescópios de grande abertura ou imagem.

Enxame aberto NGC 2420 (H101) mag 8.3 dim 10.0' classe I 2 r
Pequeno, compacto e arredondado enxame com uma dúzia de estrelas resolvidas.

Caranguejo (Cancer)

Enxame aberto Messier 44 (NGC 2632) "Praesepe Beehive" mag 3.1 dim 95.0' classe II 2 m
Enxame enorme que nem a ocular de 32mm (39x e 1.5 graus) consegue enquadrar convenientemente. O enxame era visível a olho nu, apesar da magnitude limite dessa área do céu. No telescópio, pode-se apreciar vários conjuntos de estrelas tanto em grupo, como em cadeia sem qualquer orientação ou arranjo em especial. É um dos maiores que se podem observar devido à sua proximidade (525 anos-luz) e pensa-se que pode ter a mesma origem das Híades.

M 44

Enxame aberto Messier 67 (NGC 2682) mag 6.9 dim 30.0' classe II 2 m
Um dos mais interessantes enxames que observei ultimamente. Consegue-se resolver umas boas dezenas de estrelas numa área bem concentrada, podendo-se traçar algumas cadeias. É o enxame aberto mais antigo que se tem conhecimento, com cerca de 5 mil milhões de anos (a idade do nosso Sol). Está situado a 2600 anos-luz estando afastado ainda 1500 anos-luz do plano da nossa Galáxia.

Galáxia NGC 2775 (H124 C48) mag 10.3 dim 4.5 x 3 classe Sa
Pequena, mas brilhante galáxia com núcleo estelar proeminente, e com um halo que se desvanece gradualmente do núcleo para o exterior. Lá perto, está uma estrela de de magnitude 8.

Pátio 48 - Messier 41, 47, 46, NGC 2360, 2362, H3945, 2423, 2438

2002.01.08
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
23:30 ás 01:00 UTC
Magnitude zénite: 4 (telescópio: 11.5) Antoniadi: III (estável-)
Temperatura: <10 graus. Céu limpo

Dobson Brightstar Spacewalker 200mm f/6
Plossl 32mm (38x 78'), Panoptic 19mm (63x 64'), Nagler 9mm (133x 37'), Nagler 7mm (174x 28')
Sky Atlas 2000.0 (Tirion)

Cão Maior

Enxame aberto Messier 41, NGC 2287 mag 4.5 dim 38.0' classe II 3 m
Enxame de grandes dimensões com muitas dezenas de estrelas, formando algumas cadeias que parecem irradiar do centro. Também se observam alguns pares/agrupamentos de estrelas das quais salienta uma estrela laranja de magnitude 7 com uma amarela de 7.5. Fica mais composto a baixa magnificação (38x). Encontra-se a 2350 anos-luz.

Enxame aberto NGC 2360 (C58 H93) mag 7.2 dim 13 classe II 2 m
Enxame de tamanho mediano, com algumas dezenas de estrelas resolvidas numa área rectangular. A distribuição de estrelas aparenta ser feita em cadeias, dando uma impressão geral de ser estriado. Lá perto, está uma estrela de mag 5.5, sendo a maior parte das estrelas de mag 11 e abaixo e magnitude.

Enxame aberto NGC 2362 (C64 H94) "Tau CMa Cluster" mag 4.1 dim 8 classe I 3 p n
Pequeno e bonito enxame que rodeia a estrela Tau Canis Majoris. É bastante brilhante, e foi possível observá-lo a olho nu apesar das condições. Consegue-se resolver algumas dezenas de estrelas, estando algumas agrupadas em pares e trios. Embora na maioria dos casos, as estrelas brilhantes não pertençam aos enxames, não é o caso da Tau que parece ser uma verdadeiro membro. As outras estrelas são gigantes do tipo O e B, muitos jovens, tendo apenas 1 milhão de anos de idade. Está a 5000 anos-luz. A revisitar.

Estrela dupla Azul-Amarela HJ 3945 mag 4.79,6.80 sep 26.8 pa 53° spectrum K3Ib dF0
Encontrei esta dupla quando andava procura do enxame acima. Bonito par de alto contraste que faz a lembrar a Albireo (beta cygni).

Popa (Puppis)

Enxame aberto Messier 47 (NGC 2422 H 103) mag 4.4 dim 30.0' classe III 2 m
Enxame grande numa zona muito populada de estrelas. Além de algumas estrelas bem brilhantes, observam-se também algumas dezenas de estrelas relativamente brilhantes que se encontram agrupadas em alguns "nódulos", estando estes por sua vez, irregularmente espalhados. No seu centro, está uma apertada dupla estrela com magnitudes semelhantes (struve 1121).

Enxame aberto NGC 2423 (H 104) mag 7.0 dim 19.0' classe IV 2 m
Este enxame localiza-se nas vizinhanças do M 47 e aparenta ser uma área ligeiramente mais enriquecida nesta já congestionada área. Consegue-se resolver duas dezenas de estrelas de magnitudes 9 e inferior.

Enxame aberto Messier 46 (NGC 2437) mag 6.1 dim 27.0' classe III 2 m
Enxame grande e bastante rico de estrelas uniformemente espalhadas, brilhando todas elas, mais ou menos na mesma (pouca) magnitude, num fundo por resolver completamente. A sua forma é arredondada. Encontra-se a 5000 anos-luz.

Nebulosa planetária NGC 2438 H 105 mag 11.5 dim 65' classe 4(2)
Esta nebulosa foi extremamente difícil de observar nas condições de observação, pois só após uns bons minutos a olhar para o local (sensivelmente no centro de Messier 46), é que foi possível detectá-la, como uma pequena e ténue bola de fumo. De qualquer modo esta planetária não pertence a Messier 46, estando apenas na linha de vista e 3300 anos-luz mais à frente.

Pátio 49 - Júpiter

2002.01.17
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
23:00 ás 00:30 UTC
Magnitude zénite: 4.5+ (telescópio: 12+) Antoniadi: III (estável-)
Temperatura: <10 graus
Dobson Brightstar Spacewalker 200mm f/6
Nagler 7mm (174x 28')

Júpiter 17-Janeiro-2002 23:11 UTC
Júpiter 17-Janeiro-2002 23:08 UTC
reflector 20cm+nagler 7mm e Canon Powershot G1
2 x 1/15 seg. f2.5 50 ISO afocal

Pátio 50 - Messier 50, NGC 2264, 2261, Saturno

2002.01.20
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
22:30 ás 00:30 UTC
Magnitude zénite: 4.5+ (telescópio: 12+) Antoniadi: III (estável-)
Temperatura: <10 graus
Dobson Brightstar Spacewalker 200mm f/6
Panoptic 19mm (63x 64'), Nagler 9mm (133x 37'), Nagler 7mm (174x 28')

Nestes últimos dias, tenho andado entretido a fazer imagens com a câmara digital em planetas e também de céu profundo, claro que dentro das limitações do "setup", de qualquer forma até se podem considerar decentes.

Saturno 20-Janeiro-2002 21:04 UTC
Saturno em 2002-01-20 21:04 UTC
reflector 20 cm + nagler 7mm e Canon Powershot G1 - f2.5 1/15s 100 ISO afocal

Unicórnio (Monoceros)

Enxame aberto Messier 50 NGC 2323 mag 5.9 dim 16.0' classe II 3 m
Enxame de tamanho moderado com formato arredondado, resolvendo-se duas dúzias de estrelas espalhadas irregularmente, sendo metade delas de brilho moderado. A magnitude limite não deixou ver muitas mais. Está a 2900 anos-luz.

Enxame aberto NGC 2264 (H 80) "Christmas Tree cluster" mag 4.0 dim 20.0' classe IV 3 p n
Enxame grande e com forma peculiar, constituído por estrelas bastante brilhantes que dão o aspecto geral de uma árvore de Natal (num reflector que inverte a imagem). A estrela mais brilhante é a 15 Monocerotis, que está acompanhada de mais meia dúzia delas ligeiramente menos brilhantes. Embora as condições não fossem as melhores, foi ainda possível detectá-lo a olho nu. A extremamente complicada de observar visualmente, a nebulosa associada "Nebulosa do Cone", não foi detectada.

Nebulosa NGC 2261 (C 46 D 33) "Hubble's Variable nebula" dim variável1 classe E(R)
Foi a segunda vez que a tentei observar aqui no pátio, mas finalmente lá consegui detectá-la. Esta nebulosa está situada a apenas 2 minutos de arco de uma estrela de magnitude 11. Depois de detectada, é relativamente fácil de notar o seu formato de cometa, mas sem núcleo brilhante, tendo um brilho mais ou menos uniforme em toda extensão. apesar de ter uma forma que faz lembrar a de um cometa, é no entanto, diferente de todos os cometas que tenho observado até á data.
A estrela que faz brilhar esta nebulosa é R monocerotis (mag 11..13.8), com 80x mais luminosidade que o nosso Sol e que não consegui detectar.
A variação de brilho e forma é causada por poeiras a passar nas redondezas da estrela atrás mencionada, e foi notada pela a primeira vez por Edwin Hubble, sendo ainda o primeiro objecto fotografado pelo telescópio de Hale no Monte Palomar. Está a 3000 anos-luz.

Aeródromo III - Conjunção de Júpiter com a Lua

2002.01.26
Aeródromo da Gândara do Olivais ( 39.77N 8.82W alt:52m)
16:30 ás 18:30 UTC
Magnitude zénite: N/A Antoniadi: III (estável-).
Dobson Brightstar Spacewalker 200mm f/6
Nagler 9mm (133x 37'), Plossl 32mm (38x 78'), Radian 14mm (87x 41'), Canon Powershot G1

Segundo o Ephemeris Tool 4.4, ás 17:44:18, Júpiter e a Lua ficariam separados apenas por 0°24' (24 minutos de arco). Embora as condições meteorológicas não estivessem famosas, uma olhadela na imagem de satélite fez-me ter alguma esperança de céu limpo em Leiria, pelo menos na altura da conjunção.

Conjunção de Júpiter com a Lua
As coisas não pareciam estar a correr muito o bem,
mas o vento estava de feição e já se via a aberta a aproximar-se de Oeste.
Conjunção de Júpiter com a Lua
Júpiter 17:44 UTC
Á medida que o Sol ia baixando, o contraste ia melhorando, e a Lua ia pouco a pouco aproximando.
Conjunção de Júpiter com a Lua
Júpiter 17:44 UTC
Eis Júpiter na altura de menor separação.
Visualmente era fácil de ver os 4 satélites jovianos, que na imagem só ficariam visíveis se subisse muito o brilho.
Conjunção de Júpiter com a Lua
Júpiter 17:49 UTC
Imagem tirada com um bocado maior de magnificação, e tratada de modo a salientar detalhe em Júpiter.
Conjunção de Júpiter com a Lua
Pôr do Sol - só que ao contrário :)).
Com algum cuidado é possível "resolver" Júpiter.
Os dois ainda deram uma boa imagem nas horas seguintes

Também por lá apareceu, pessoal dos aviões com curiosidade de saber o que se estava a passar, e que "á la Astronomia no Verão" fui mostrando Júpiter, Saturno e a Lua e respondendo às habituais perguntas até às 18:30, altura em que arrumei.

Pátio 51 - Animação do Movimento do asteróide Vesta em Touro

2002.02.08
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m) e arredores
Canon G1 e tripé

Depois de ler na revista Astronomy, que o Vesta estava bem posicionado para ser observado (e fotografado), decidi capturar a sua posição durante 3 dias.

asteróide Vesta
Asteróide Vesta

Fazer uma busca na Net sobre a variável V471, que embora varie entre magnitudes 9-10 está perfeitamente visível que até se encontra informação bastante interessante.

asteróide Vesta
Animação do asteróide Vesta em Touro.
3 imagens num período de 4 dias
Canon Powershot G1 f2.5 8s 50 ISO
Reparar na estrela variável V471

Aeródromo III - Conjunção de Júpiter com a Lua

2002.02.09
Aeródromo da Gândara do Olivais (39.77N 8.82W alt:52m)
As piores possiveis :)
Canon Powershot G1 e tripé

Nuvens, Nevoeiro, Lua Cheia e Poluição Luminosa.
Nuvens, Nevoeiro, Lua Cheia e Poluição Luminosa
Canon Powershot G1. Composição de várias imagens com factores pouco desejáveis...

Observatório do Pinhal do Rei XX

2002.02.12
Recinto Obs. Astronómico Pinhal do Rei (39.75N 9.00W alt:93m)
20:00 ás 21:30 UTC
Magnitude zénite:5+ Antoniadi: II (estável).
Céu pouco nublado com neblina até aos 20 graus no horizonte e subindo ao longo da sessão. Temperatura amena.
Dobson Brightstar Spacewalker 200mm f/6
Panoptic 19mm (63x 64'), Nagler 9mm (133x 37'), Sky Atlas 2000.0 (Tirion)

Antes da observação fiz algumas imagens ao nosso Sol

Sol em 12-Fevereiro-2002
Sol em 2002-02-12 15:52 UTC
Afocal ETX90EC+32mm+Canon G1
Sol em 12-Fevereiro-2002
Sol em 2002-02-12
Afocal ETX90EC+14mm+Canon G1 (3x)
Sol em 12-Fevereiro-2002
Sol em 2002-02-12
Afocal ETX90EC+14mm+Canon G1 (3x).

Neste mês de Fevereiro, as condições meteorológicas têm estado muito adversas às observações. Se não são as nuvens, são as neblinas e nevoeiro, enfim... Mesmo com a ameaça da neblina galopante, rumei para o pinhal, para mais uma infelizmente pequena observação.
Enquanto o telescópio estabilizava, fui fazendo mais algumas imagens para ilustrar estes relatos, na qual resultou a clássica imagem de rotação da Terra.

Polaris em 12-Fevereiro-2002
Polaris em 2002-02-12
14 x8 seg.

Apesar da neblina, a estabilidade atmosférica até era razoável, pois no Trapézio em Orion foi possível observar, sem grande esforço, mais duas estrelas (E e a F) que o habitual e usando apenas 63x de magnificação (pan 19mm). Revisitei ainda alguns dos objectos que já tinha observado no meu pátio, tais como a nebulosa variável de Hubble, a Árvore de Natal entre outros.

Unicornio (Monoceros)

Enxame aberto NGC 2244 (C 50 H 78) mag 4.8 dim 24.0 class II 3 r n
- Nebulosa NGC 2237-9 (C 49) "Rosette Nebula" dim 80 x 60 class E

Estes objectos formam uma das nebulosas e enxame mais espectaculares para se fotografar. O enxame 2244 tem grandes dimensões e é constituído por uma dezena de estrelas muito brilhantes (tipo O - branco-azuis), relativamente espalhadas numa área densamente populada de estrelas onde ainda se destaca a amarelada 12 monocerotis (que não pertence ao enxame pois está apenas a 600 anos-luz). Estas estrelas tipo O, são muito brilhantes e começaram a brilhar a apenas meio milhão de anos.
Embora extremamente ténue, sempre dá a ligeira impressão de estar embebido na enorme nebulosa que nas imagens se assemelha a uma rosa. Embora não tivesse ocular com campo suficiente para a enquadrar convenientemente uma nebulosa deste tamanho, no entanto, foi possível reparar em certas zonas "enubladas" mexendo o tubo do telescópio, especialmente nas redondezas das estrelas mais brilhantes. Conseguia-se detectar estes dois objectos a olho nú. Ambos estão a 5000 anos-luz.

Popa (Puppis)

Enxame aberto Messier 93 (NGC 2447) mag 6.2 dim 22.0' class IV 1 p
Enxame brilhante, com cerca de 2 dezenas de estrelas com magnitude moderada agrupadas num formato alongado e condensado que se destaca bem na área, que é, já por si, bem populada de estrelas de menor brilho. Existe alguma nebulosidade, fazendo adivinhar mais algumas estrelas por resolver em aberturas maiores. Vou tentar fotografá-lo.

Pátio 52 - Messier 48

2002.02.14
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
Horas: 23:00 ás 00:30 UTC
Magnitude zénite:4+ Antoniadi: III (estável-).
Céu aparentemente sem nuvens mas provavelmente com nuvens altas. Ligeira neblina e fumo de chaminés
Temperatura < 10 graus.
Dobson Brightstar Spacewalker 200mm f/6
Panoptic 19mm (63x 64'), Nagler 9mm (133x 37')
Sky Atlas 2000.0 (Tirion)

Nesta sessão, revisitei muitos dos objectos que tenho andado a observar ultimamente, e também alguns que já na via a alguns meses, tais como as galáxias Messier 81, Messier 82 e a planetária Messier 97. Fiquei sinceramente impressionado com as galáxias Messier 81/Messier 82, que eram visíveis no mesmo campo da pan19, e que revelavam um detalhe espantoso a 133x (nag9). A melhor observação deste par até à data (graças em grande parte a estarem a transitar o meridiano) - Fiquei meia hora a observá-las.

Hidra (Hydra)

Enxame aberto Messier 48 (NGC 2548, H 114) mag 5.8 dim 54.0' class I 2 m
Enxame de grande tamanho, que mal cabe no campo de um grau da Pan 19, talvez assim perdendo algum do seu encanto. Consegue-se observar várias dezenas de estrelas com magnitude semelhante espalhadas por todo o campo de visão. Na parte central, as estrelas em cadeia aparentam formar um semi-círculo. Bom para pequenos telescópios. Está situado a 1500 anos-luz.

Observatório do Pinhal do Rei XXI

2002.02.16
Recinto Obs. Astronómico Pinhal do Rei (39.75N 9.00W alt:93m)
18:50 ás 21:30 UTC
Magnitude zénite:5+ Antoniadi: II (estável)
Céu limpo com neblina até aos 30 graus no horizonte e subindo ao longo da sessão
Temperatura a baixar muito a partir das 21:00
Dobson Brightstar Spacewalker 200mm f/6
,Plossl 32mm (38x 78'), Panoptic 19mm (63x 64'), Radian 14mm (87x 41'), Nagler 9mm (133x 37')
Sky Atlas 2000.0 (Tirion), Orion Deepmap 600

Algumas horas antes, fiz umas imagens ao astro-rei.

Sol em 16-Fevereiro-2002
Sol em 2002-02-16
Afocal ETX90EC+32mm+Canon G1
Sol em 16-Fevereiro-2002
Sol em 2002-02-16
Afocal ETX90EC+14mm+Canon G1 (3x)
Sol em 16-Fevereiro-2002
Sol em 2002-02-16
Afocal ETX90EC+14mm+Canon G1 (3x).

Mais uma saída até ao pinhal para avistar ainda outro cometa, o Ikeya-Zhang, que anda neste momento pela a constelação da Baleia (Cetus).
Aproveitei ainda, para observar e fotografar a Lua na fase crescente que fazia um para algo distante com o diminuto planeta Marte.

Pôr do Sol
Pôr do Sol com crescente da Lua - eram 19:00 horas
Lua e Marte
Lua e Marte a 7 graus de distância. Imagem sobre-exposta para captar a luz da Terra a reflectir na parte não iluminada da Lua

A lua estava especialmente agradável de observar, sendo até muito fácil ver detalhe na zona iluminada pela Terra.

Lua em 16-Fevereiro-2002
Lua em 2002-02-16
Afocal Dob20cm+32mm+Canon G1
Lua com a fase a 17,3% com grande destaque para o Mare Crisium (Mares das Crises)
Lua em 16-Fevereiro-2002
Lua em 2002-02-16
Afocal Dob20cm+14mm+Canon G1
Mare Crisium tem 570 km de diâmetro e teve origem num impacto, sendo posteriormente submergida por grossas camadas de lava
Mare Fecundatis que alberga a dupla cratera de Messier (aqueles dois pontos negros no meio do mare) Com algm cuidado pode-se observar grandes raios brilhantes de uma delas
Lua em 16-Fevereiro-2002
Lua em 2002-02-16
Afocal Dob20cm+14mm+Canon G1
Valis Rheita - É o maior vale desta face da Lua com cerca de 500 km de extensão que vai "desaguar"
á cratera também chamada Reitha.
Encontra-se bastante erodido e tem zonas com mais de 30 km de largura.
Lá perto já se consegue distinguir a Jansen qu é uma enorme planície murada com sistema de falhas - ainda se consegue distinguir a maior fenda que a atravessa ao meio e que tem 6 km de largura

Cometa C/2002 C1 Ikeya-Zhang

O cometa bem mais brilhante do que estava à espera, tendo em conta que a Lua estava tão próxima (a cerca de 14 graus). Eram já cerca de 19:40, ainda não completamente de noite, quando o detectei acima da copa de um pinheiro com o binóculo de 10x42. Apontando o dob de 20cm, verifiquei que aparenta ter um tamanho razoável e não era completamente redondo. Não detectei qualquer cauda. Lá muito perto, estava uma estrela de magnitude 8 que desfocada, parecia ter menor brilho, estimando em relação ao cometa uma magnitude acima de 8. Foram poucos minuto,s mas suficientes para dar a primeira olhadela a este visitante.

De seguida, começou o festival dos satélites artificiais que se segue ao "twilight", ficando 10 minutos a buscar à vista desarmada e com o binóculo - consegui encontrar nesse espaço de tempo 4 deles.

Cão Maior (Canis Major)

Enxame aberto NGC 2354 (H 91) mag 9.0 dim 20.0' classe III 2 m
Três dezenas de estrelas de diversas magnitudes, espalhadas por uma grande área concentrada em algumas áreas. Embora não pareça um enxame aberto muito regular, ainda se destaca nesta zona populada com muitas estrelas da zona.

Nebulosa de emissão NGC 2359 (D 34) "Nebulosa do Pato" dim 9' x 6'
Esta nebulosa deu alguma luta a encontrar - só com a 32mm e filtro é que a consegui detectar, pois apesar de ter de dimensões razoáveis, é muito ténue. Pode-se descrever como uma nebulosidade de com formato rectangular ,muito difusa, onde estão espalhadas meia dúzia de estrelas de magnitude 11 e menor.

Popa (Puppis)

Enxame aberto NGC 2539 (H 113, D 36) mag 8.0 dim 22.0' classe II 1 m
Enxame de grandes dimensões com umas boas dezenas de estrelas de magnitude 10 ou maior irregularmente espalhadas. Inserida no enxame perto está bem brilhante e alaranjada 19 Puppis que não é membro. Poderia ser um Messier.

Depois de ter andado mais de meia hora, a tentar encontrar a planetária NGC 2440 em Popa e o enxame NGC 2204 em Cão Maior, fui ver se me animava revisitando todos os objectos brilhantes que estavam em exibição. Enfim, há dias que não corre muito bem a caça. Estava a começar a ficar frio, e o vento estava a começar a assobiar, com a neblina a subir cada vez mais, até que me rendi, e lá me fui embora.

S.Pedro de Moel I - Conjunção Júpiter-Lua

2002.02.23
S.Pedro de Moel
02:20 ás 04:10 UTC
Magnitude zénite: N/A Antoniadi: IV (instável)
Dobson Brightstar Spacewalker 200mm f/6
Plossl 32mm (38x 78'), Radian 14mm (87x 41')
Canon Powershot G1

A altitude dos dois objectos na hora do evento foi inferior a 7 graus, o que resultou em imagens de qualidade tão variável como a turbulência atmosférica.
De qualquer maneira, foi interessante para mim e para a cerca de uma dezena de jovens que iam aparecendo pelo local.

Conjunção Júpiter-Lua
2:20 UTC
As condições atmosféricas pareciam querer estar a colaborar
Praia de S.Pedro de Moel iluminada pelo o Luar e luzes da marginal
Conjunção Júpiter-Lua
2:51 UTC
Já era possível capturar no mesmo campos dois astros com a plossl de 32mm
Conjunção Júpiter-Lua
02:58 UTC - Júpiter cada vez mais próximo
Embora a imagem não os tenha capturado, os satélites eram bem visíveis e estavam todos alinhados na direcção da Lua
Entretanto, o satélite Europa já se tinha escondido atrás de Júpiter
Conjunção Júpiter-Lua
03:15 UTC
Tentativa de capturar os satélites sobre-expondo, mas a turbulência atmosférica fazia disso uma autêntica lotaria
Da esquerda para a direita: Io, Ganimede e Calisto
Conjunção Júpiter-Lua
03:19 UTC- Algo terá atravessado o disco lunar
E não me recordo ter visto nenhum avião (luzes)
Conjunção Júpiter-Lua
03:35 UTC - Conjunção no seu afastamento menor
A turbulência atmosférica e baixa altitude encarregou-se de estragar muitas imagens

Pátio 53 - 7 dias, 7 Luas

2002.03.03
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)e arredores
algumas das imagens com bastante poluição luminosa
Dobson Brightstar Spacewalker 200mm f/6
Plossl 32mm (38x 78'), Radian 14mm (87x 41'), Canon Powershot G1

Algumas imagens da Lua tiradas ao longo de 2 semanas quando as condições o permitiam. Esta lunação teve a maior e mais brilhante Lua Cheia do ano devido ao facto de coincidir com o Perigeu (ponto da órbita mais perto da Terra).

Lua em 02-Março-2002
Lua em 2002-03-02 00:43 UTC
Afocal Dob20cm+32mm+Canon G1
Fase: 89.5%
Distância: 361490.6 km
Lua em 28-Fevereiro-2002
Lua em 2002-02-28 00:17 UTC
Afocal Dob20cm+32mm+Canon G1
Fase: 99.17%
Distância: 351673 km
Lua em 27-Fevereiro-2002
Lua em 2002-02-27 01:23 UTC
Afocal Dob20cm+32mm+Canon G1
Fase: 99.7%
Distância: 357480.7 km
Lua em 24-Fevereiro-2002
Lua em 2002-02-24 22:55 UTC
Afocal Dob20cm+32mm+Canon G1
Fase: 91.3%
Distância:364611.3 km
Lua em 23-Fevereiro-2002
Lua em 2002-02-23 22:26 UTC
Afocal Dob20cm+32mm+Canon G1
Fase: 83.7%
Distância:370247.9 km
Lua em 22-Fevereiro-2002
Lua em 2002-02-22 22:36 UTC
Afocal Dob20cm+32mm+Canon G1
Fase: 74.7%
Distância:375205.0 km
Lua em 21-Fevereiro-2002
Lua em 2002-02-21 21:39 UTC
Afocal Dob20cm+32mm+Canon G1
Fase: 64.4%
Distância:383023.7 km

S.Pedro de Moel II - Cometa C/2002 C1 Ikeya-Zhan

2002.03.09
S.Pedro de Moel
19:00-20:30 UTC
Mag 5 (max), muitas Nuvens, neblina e vento
Canon Powershot G1 e tripé

Farol de S.Pedro de Moel 09-Março-2002
Farol de S.Pedro de Moel 2002-03-09
Foto tirada enquanto estava à espera que a noite caísse para fotografar o esguio Cometa C/2002 C1 Ikeya-Zhang.
O Meteosat não me estava a dar grandes esperanças, mas fui a S.Pedro na mesma.
Cometa C/2002 C1 Ikeya-Zhang 09-Março-2002
Cometa C/2002 C1 Ikeya-Zhang 2002-03-09
3 imagens de 8 segundos tiradas num intervalo de 2 minutos a Canon G1 no tripé
No binóculo 10x42 era perfeitamente visível tanto o núcleo como a cauda, isto apesar da já sua baixa altitude (11 graus) e condições atmosféricas

S.Pedro de Moel III - Lua, Vénus e Cometa C/2002 C1 Ikeya-Zhang

2002.03.16
S.Pedro de Moel
18:30-20:30 UTC
Mag 5 (max), muitas Nuvens, neblina e vento
Dobson Brightstar Spacewalker 200mm f/6
Plossl 32mm (38x 78'), Radian 14mm (87x 41')
Canon Powershot G1 e tripé

Mais uma vez, jogando contra o Meteosat lá fui até S.Pedro observar e fotografar o cometa C/2002 C1 Ikeya-Zhang. Este cometa está impressionante, é o mais brilhante e o mais espectacular dos últimos anos - a não perder sob nenhum pretexto.

Oceano Atlântico
Oceano Atlântico
Mais uma foto enquanto esperava pela noite a cair.
Muitas nuvens e muito vento para as levar dali para fora :))

Ainda de dia, não poderia deixar de observar a Lua num crescente bem fino. Entretanto, surgiu um casal que naturalmente curioso, se aproximou para tratar de descobrir o que é que aquele tipo com gorro e um tubo preto (dob) apontado para o céu estava a fazer....

Lua em 16-Março-2002 19:15 UTC
Lua em 2002-03-16 19:54 UTC
Afocal Dob20cm+32mm+Canon G1
Fase: 6.7%
Distância:404157.0 km
Vénus e Lua
Vénus e Lua
Depois de no dia anterior ter perdido devido ao mau tempo uma conjunção bem mais jeitosa (5 graus), lá me contentei com esta.
A título de consolação, estava uma estrelita junto à Lua (Nu piscium mag 4.45) a compôr o ramalhete.
A imagem pormenor de Vénus foi feita com a 14mm no reflector
Consegue-se ver, apesar da turbulência que o disco apresenta fase (96,8%)
Cometa C/2002 C1 Ikeya-Zhang 16-Março-2002 19:39 UTC
Cometa C/2002 C1 Ikeya-Zhang 2002-03-16 19:39 UTC
Ainda não era bem escuro e já este cometa mostrava a sua longa cauda e enorme coma.
A estrela brilhante à esquerda é a eta piscium (mag 3.63) e o para acima à direita a rho piscium e
94 piscium (mag 5.25 e 5.55)
Cometa C/2002 C1 Ikeya-Zhang 16-Março-2002 19:46 UTC
Cometa C/2002 C1 Ikeya-Zhang 2002-03-16 19:46 UTC
4x 1/2 seg. tiradas com a plossl 32mm no dob 20cm
tive de tirar várias, pois manter quieta a câmara meio segundo é um pouco complicado :)).
A coma é enorme e a cauda saia do campo da ocular. Impressionante...
Cometa C/2002 C1 Ikeya-Zhang 16-Março-2002 19:54-56
Cometa C/2002 C1 Ikeya-Zhang 2002-03-16 19:54-56 UTC
8 x 8 seg.

Sra. do Monte I - Vénus e Cometa C/2002 C1 Ikeya-Zhang

2002.03.20
Sra do Monte - Cortes (39.68N 8.75W alt:395m)
18:30-20:00 UTC
Mag 5 (max)
Canon Powershot G1 e tripé

Vénus
Vénus
Vénus enquanto a noite caía...
Cometa C/2002 C1 Ikeya-Zhang 20-Março-2002 20:03-05 UTC
Cometa C/2002 C1 Ikeya-Zhang 2002-03-20 20:03-05 UTC
5 x 8 seg. com a Canon G1 no tripé
No campo ainda está a rho Piscium que está presente na foto do dia 16

Sra. do Monte II - Cometa C/2002 C1 Ikeya-Zhang

2002.03.22
:Sra do Monte - Cortes (39.68N 8.75W alt:395m)
19:00-20:30 UTC
Mag 5 (max)
Canon Powershot G1 e tripé. Meade ETX90EC

Senhora do Monte, ETX90 e Vénus
Senhora do Monte, ETX90 e Vénus
Enquanto anoitece vou fazendo algumas imagens para me entreter.
Nesta observação levei o o ETX para observar planetas, especialmente Vénus que está muito brilhante, mas muito baixo. Os pôr do Sol são muito agradáveis neste monte com cerca 400 de altitude segundo o GPS.
Sempre são alguns metros a menos de atmosfera...
Cometa C/2002 C1 Ikeya-Zhang 22-Março-2002 20:19 UTC
Cometa C/2002 C1 Ikeya-Zhang 2002-03-22 20:19 UTC
1 imagem de 8 segundos ISO 200 com a Canon G1 no tripé.
Cometa C/2002 C1 Ikeya-Zhang 22-Março-2002 20:25 UTC
Cometa C/2002 C1 Ikeya-Zhang 2002-03-22 20:25 UTC
1 imagem de 8 segundos ISO 200 tirada com a Canon G1 no tripé
Com alguma persistência e boa-vontade consegue-se discernir pelo menos 1 grau e meio da cauda

Sra. do Monte III - Lua

2002.03.28
Sra do Monte - Cortes (39.68N 8.75W alt:395m)
18:30-19:30 UTC
Nuvens
Canon G1 e tripé.

Mais um fim de tarde no cimo da Sra. do Monte, onde esperava ver mais uma vez, o cometa Ikeya-Zhang. Infelizmente, estavam muitas nuvens para Oeste. Também fui no intuito de observar e fotografar o nascer da Lua Cheia.

Lua Cheia a nascer 28-Março-2002 19:16 UTC
Lua Cheia a nascer 2002-03-28 19:16 UTC
Qualquer pessoa fica impressionada com uma Lua Cheia a nascer Estava a pouco mais de 5 graus de altitude,
com uma fase de 99,8% e "apenas" a 357241.5 kms
(a Lua Cheia tinha sido ás 19:25).
A cor âmbar típica da forte filtragem atmosférica ainda mais acentuada devido a fina camada de nuvens, que permitiu sobreexpor mais a imagem de modo a capturar o céu (ainda) azul e os pinheiros.

Sra. do Monte IV - Ocaso do Sol

2002.04.13
Sra do Monte - Cortes (39.68N 8.75W alt:395m)
19:00-21:00 UTC
Nuvens
Canon Powershot G1 e tripé

Sol em 13-Abril-2002 18:49 UTC
Sol em 2002-04-13 18:49 UTC
Esta sessão serviu também para estrear uma nova lente teleconversora de 1.5x para a Canon, que lhe proporciona um "zoom" de 100-150mm.
Este é um "crop" sem qualquer redimensionamento e resulta num disco com 90 pixels.
Mesmo com tempo de exposição de 1/1000s f8 o Sol é extremamente brilhante
- mostrando a sua verdadeira cor: puro branco.
A imagem foi feita usando APENAS o visor TFT - não o visor óptico, pois é extremamente perigoso observar o Sol sem o devido filtro
Ocaso do Sol em 13-Abril-2002 19:10 UTC
Ocaso do Sol em 2002-04-13 19:10 UTC
Um dia destes tenho de deixar de fazer imagens ao pôr do Sol

Aeródromo V - Conjunção de Vénus com a Lua

2002.04.14
Aeródromo da Gândara do Olivais ( 39.77N 8.82W alt:52m)
18:30-20:00 UTC
Nuvens altas
Dobson Brightstar Spacewalker 200mm f/6
Plossl 32mm (38x 78')
Canon Powershot G1 e tripé

Bonita conjunção de Vénus com um fino crescente da Lua, que deu um bom momento de observação binocular.

Vénus e Lua e Luz da Terra em 14-Abril-2002 19:50 UTC
Vénus e Lua e Luz da Terra em 2002-04-14 19:50 UTC
Ainda era bem de dia...
Canon G1 150mm 2s f2.5 50 ISO
Vénus e Lua em 14-Abril-2002 20:04 UTC
Vénus e Lua em 2002-04-14 20:04 UTC
A distância mínima desta conjunção (em longitude) aconteceu às 20:35 UTC com 3°04'.
Tirei a esta hora pois mais meia hora e era capaz de não dar hipótese de fotografar devido à baixa altitude dos dois corpos, a distância era de 3°05'.
A luz da Terra reflectida na parte da noite lunar é perfeitamente visível, mostrando ainda alguns mares.
Canon G1 100mm 8s f2.5 50 ISO
Lua em 14-Abril-2002 19:29 UTC
Lua em 2002-04-14 19:14 UTC
Afocal Dob20cm+32mm+Canon G1
Fase: 3.9%
Distância:399369.3 km

Aeródromo VI - Conjunção de Saturno com a Lua

2002.04.16
Aeródromo da Gândara do Olivais (39.77N 8.82W alt:52m)
21:20-22:00 UTC
Dobson Brightstar Spacewalker 200mm f/6
Plossl 32mm (38x 78')

Muito nublado. A Lua e Saturno estavam no meio de uma forte neblina e ambos estavam a menos de 15° de altitude.

Saturno e Lua em 16-Abril-2002 21:28 UTC
Saturno e Lua em 2002-04-16 21:28 UTC
Afocal Dob20cm+32mm+Canon G1
Fase: 15.4%
Distância:392592.6 km
Saturno esta apenas a 9' da Lua e a 24' do seu centro
A sua magnitude é 0.1 e tem apenas 38" (anéis)
Saturno e Lua em 16-Abril-2002 21:24 UTC
Saturno e Lua em 2002-04-16 21:24 UTC
Afocal Dob20cm+32mm+Canon G1

Aeródromo VII - Conjunção de Júpiter com a Lua

2002.04.19
Aeródromo da Gândara do Olivais (39.77N 8.82W alt:52m)
23:30-00:30++ UTC
Dobson Brightstar Spacewalker 200mm f/6
Plossl 32mm (38x 78')

Nublado na área. A Lua e Júpiter estavam no meio de uma forte neblina e ambos estavam a menos de 9° de altitude (muita turbulência).

Júpiter e Lua em 19-Abril-2002 00:05 UTC
Júpiter e Lua em 2002-04-19 00:05 UTC
Afocal Dob20cm+32mm+Canon G1.
A separação tem quase 1 grau (59')
Júpiter e Lua em 19-Abril-2002 00:20 UTC
Júpiter e Lua em 2002-04-19 00:20 UTC
Tripé + Canon G1 150mm
A estrela acima é a epsilon geminourum, também chamada Metsuba e tem 3 de magnitude
As nuvens mascararam a Lua, o que permitiu capturar um bocado da luz da Terra refletida sem queimar demasiado a parte iluminada.

Aeródromo VIII - O Grande alinhamento de Planetas

2002.04.19
Aeródromo da Gândara do Olivais (39.77N 8.82W alt:52m)
20:00-21:30 UTC
Limpo com algumas nuvens
Canon Powershot G1 e tripé

Não é todos os dias que vemos uma alinhamento tão ordeiro e proporcional de planetas.
Uma boa foto de família em que só faltam os membros mais afastados....

Mercúrio, Vénus, Marte, Saturno, Júpiter e Lua 19-Abril-2002 20:12 UTC
Mercúrio, Vénus, Marte, Saturno, Júpiter e Lua 2002-04-19 20:12 UTC
Uma imagem (aliás duas coladas) com 5 planetas, uma Lua e ainda as Plêiades (Messier 45).
A separação da Lua e Mercúrio é quase 80 graus...

II Encontro Nacional de Astronomia (ENA)

2002.04.20
Ourém
14:30-04:00++ UTC
Limpo mas algo instável e Lua até depois das 3 da manhã.

Mais uma festa da Astronomia Amadora organizada pelo NACO (Núcleo de Astronomia da Câmara de Ourém) cujo o programa de palestras e outras actividades se pode encontrar em http://www.anoa.pt/céu/ena.html .

Depois de ter chegado ao local do Encontro por volta das 15 horas, comecei a dar uma espreitadela nos telescópios que estavam à disposição na entrada - um deles apontado para o Sol, onde se podia observar vários conjuntos interessantes de manchas, e outro apontado para a Lua que estava praticamente no seu Quarto Crescente, e que apesar do dia solarengo, desafiava o todo poderoso astro-rei.

Ao entrar e fazer o check-in na recepção, houve uma misteriosa força (mais forte que aquela que mantém os protões e neutrões unidos), que me atraiu para o lado esquerdo.... telescópios, binóculos, montagens, oculares e toda a espécie de acessórios, que me mantiveram entretido durante quase toda fase diurna do evento, faltando (mais uma vez) pelo caminho a todas as palestras que se iam realizando...

Fiz algumas imagens de telescópios e montagens dos diversos expositores que marcaram presença. A Galáctica Messier 51 , a Perseu , a Astrofoto e a Brightstar.

II ENA
O mais recente modelo do Orion SkyQuest XT 8, com focador de 2 polegadas.
II ENA
Um refractor Orion de 120mm com uma Canon G2 montada para imagem afocal, usando o DIGI-T da Scopetronix.
II ENA
A mais recente proposta da Televue
um refractor apocromático de 76mm
II ENA
A montagem altazimutal Giro Deluxe com um refractor Televue apocromático de 102mm e um SkyWatch
II ENA
A massiva montagem Losmandy G11 com GOTO

Ainda durante a tarde uma sessão de imagem afocal do Sol

II ENA
O Maksutov-Cassegrain de 127mm da Orion
com uma Canon Powershot G2 conectada, com o sempre obrigatório filtro solar.

Houve no final do dia, uma mini-excursão à antiga Vila de Ourém, onde se encontram um dos mais bonitos castelos de Portugal. Lá, além de se ter apreciado um dos mais belos ocasos dos últimos tempos, serviu também para observar o actual alinhamento de cinco dos planetas - Mercúrio, Vénus, Marte, Saturno e Júpiter.
Como é considerado crime ir ao Castelo de Ourém, e não provar a famosa ginginha, lá fomos cumprir a Lei, e provar esta realmente excelente especialidade local.

Depois de jantar, começaram as observações no exterior do edifício, onde apareceram mais de uma dúzia de telescópios de todos os tamanhos e feitios. Desde um pequeno e luxuoso (50mm) refractor Borg, até ao Orion Xt10 e Meade LX200 de 25cm, passando por refractores acromáticos e apocromáticos em diversos tamanhos até 5 polegadas, meia dúzia de dobs de 20cm (que parecem estar na moda), e ainda dois ETXs.
O ETX125 esteve toda a noite a seguir a Lua que podia ser observada através de uma televisão. Também houve (julgo eu) uma sessão de imagem com webcam e vários passeios guiados pelo Guilherme Almeida.

Apesar da poluição luminosa (o local tinha alguns candeeiros especialmente chatos por perto), e de alguma instabilidade atmosférica, e do Quarto Crescente da Lua, ainda foi possível observar alguns objectos de céu profundo, tais como a galáxia "Sombrero" (Messier 104) em Virgem, a Messier 51 em Cães de Caça, as primeiras olhadelas nos globulares Messier 13 e Messier 92 em Hércules, a Nebulosa do Anel (Messier 57) em Lira, entre muitos outros. Foi muito interessante poder observar o mesmo objecto em diversos telescópios, oportunidade geralmente só é possível nestes eventos.

Perto das cinco da manhã, já tinham acabado as observações e foi então altura de ir descansar um pouco.
No 2º dia não tenho nada para contar pois, acordei às duas e meia da tarde :^).... Só me resta agradecer à organização por este belo e raro dia, em que se viu muito e bom equipamento, muitas trocas de ideias, e especialmente um sempre agradável convívio de pessoas que gostam Astronomia nos seus diversos sabores.

Pátio 54 - Sol

2002.04.25
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
15:45-16:30++ UTC
Limpo, mas com muita turbulência para observação solar
Meade ETX90EC com filtro Thousand Oaks type II, plossl 32mm (38x 78'), Radian 14mm (87x 41')
Canon Powershot G1

Ah, que ricos dias de Sol que tem havido nesta última semana, esperemos que continuem, mas tenho quase a certeza que quando a Lua Cheia passar vai começar novamente a nublar...

Sol em 25-Abril-2002 15:56 UTC
Sol em 2002-04-25 15:56 UTC
O Sol anda muito interessante nestas últimas semanas e hoje não foi excepção, pois tem muitas manchas e detalhes para observar
Reparar na orla irregular do disco para um bom exemplo de turbulência...
Sol em 25-Abril-2002 16:06 UTC
Sol em 2002-04-25 16:05 UTC
O impressionante grupo de manchas central, qualquer uma bem maior que o nosso planeta

Aeródromo IX - Cometa C/2002 F1 Utsunomiya

2002.04.29
Aeródromo da Gândara do Olivais (39.77N 8.82W alt:52m)
20:00-20:45 UTC
Canon Powershot G1 e tripé

Primeira imagem do cometa C/2002 F1 Utsunomiya. Estava eu no 1º de Maio a ver órbita que este cometa está a ter (Skymap pro), e reparei que talvez tivesse sido capturado numa das imagens que tirei no dia 29.
Devido a ainda ser de dia (e nem sequer ser o alvo), não está muito óbvio, mas tudo aponta para que seja ele (posição, magnitude e ser difuso e alongado). Ter o monitor calibrado ajuda.

Cometa C/2002 F1 Utsunomiya em 29-Abril-2002 20:33 UTC
Cometa C/2002 F1 Utsunomiya em 2002-04-29 20:33 UTC
Primeira imagem
Resolução 1024x768 sem qualquer tratamento, recorte directo e apenas legendagem

Aeródromo X - Cometa C/2002 F1 Utsunomiya

2002.05.03
Aeródromo da Gândara do Olivais (39.77N 8.82W alt:52m)
20:20-20:45 UTC
Limpo.
Dobson Brightstar Spacewalker 200mm f/6
Plossl 32mm (38x 78'), Nagler 9mm (133x 37').

Primeira observação visual deste cometa, que está a passar de rompante pela a actual conjunção de planetas.
Apesar de ser ainda de dia, tentei observá-lo com o binóculo 10x42 sem grande sorte. De seguida apontei o dob 20 cm para o planeta Mercúrio, que mostrava uma fase de Quarto e lá perto estava o fugidio cometa Utsunomiya que era bem menos brilhante e também bem mais pequeno que o Ikeya-Zhang podendo-se observar com alguma dificuldade a cauda que aparenta ser alargada e curta, mas ainda era notório um pequeno e difuso coma. A 133x era perfeitamente identificado com um cometa
O contraste não era o melhor devido à altura do dia, mas pareceu-me com um brilho aquém do estimado pelo Skymap, e a julgar pelo caminho que vaí tomar nos próximos 30 dias não me parece que vá ser um grande sucesso de bilheteira devido a estar muito baixo e ser pouco brilhante.

I Astromira

2002.05.11
Mira
13:30-02:00 UTC
Em geral limpo, com algumas nuvens. Magnitude no zénite superior a 5, apesar de algum iluminação pública em redor do recinto.

É sempre de louvar a criação de mais um encontro de Astronomia de Amadores em Portugal que, apesar da afluência do público não tenha sido grande (algumas dezenas de pessoas), como é normal para a primeira realização de um evento, foi deveras interessante na suas variadas palestras, feitas por diversas personalidades do meio da Astronomia Amadora.

I Astromira
observatório de Mira com telhado deslizante

As palestras começaram com Guilherme de Almeida a falar de telescópios, turbulência, e qual a melhor escolha para cada objectivo.
Seguiu o Pedro Ré a explicar o material e métodos necessários para a execução de imagem solar, algo que se tem dedicado ultimamente.
Depois veio um eloquente palestra de José Matos sobre Júpiter e Saturno, desde a Mitologia até à sonda Cassini-Huygens, sendo seguida de uma mais científica e aprofundada observação de Júpiter por António Cidadão, e do importante contributo (no Passado e no Futuro) dos amadores para o estudo e compreensão deste caótico planeta.
A Astroemir (organização), demonstrou o programa multimédia desenvolvido para apresentação em sessões de divulgação para escolas, finalizando-se com uma muito interessante palestra a António Magalhães sobre os nossos olhos e percepção das cores, que curiosamente (e infelizmente), foi apresentada com um datashow daltónico, demonstrando efectivamente, o que sente uma pessoa que confunde as cores...

I Astromira
Pedro Ré na sua palestra

Depois do jantar (grelhados com arroz de feijão), saudosamente (pelo menos para mim) ingerido na cantina da escola, foi altura de ir para pátio, onde estavam disponíveis, diversos telescópios e binóculos para observação na primeira pessoa de diversos objectos.
Aproveitei para tirar mais uma foto do actual arranjo de planetas, esperando por uma aberta que mostrasse todos os planetas, resultando nesta imagem.

Estavam à disposição um Dob de 16" (que tinha um buscador que faria corar de vergonha o mais distraído fabricante chinês), um dob de 8 polegadas igual ao meu, um Mak de 127mm montado numa EQ6 (que deu novo significado à expressão "montagem sobre-dimensionada"), um binóculo 8x56 montado num paralelogramo, entre outros instrumentos.

Pela a sessão adiante observou-se os planetas, com destaque para Júpiter, o cometa Ikeya-Zhang, que neste momento está a passar na constelação de Hércules fazendo um par embora algo distanciado com enxame globular Messier 92.
Lá perto (um campo binocular), estava o grandioso Messier 13 e mais abaixo a nebulosa planetária Messier 57.
Também alguns pares de galáxias fizeram o menu de céu profundo, tais como as Messier 81/Messier 82 na Ursa Maior (visíveis nos meus binos 10x42) e Messier 65/Messier 66 em Leão. As sempre mediáticas Messier 51 (Redemoínho) e Messier 104 (Sombrero) também foram alvos preferenciais entre muitos outros que agora não me recordo.
Mais para a frente, os poucos que já restavam, aproveitaram para dar a primeira olhadela binocular a Sagitário, Cisne e Escorpião que já estavam a ficar bem altas. A partir das duas e meia da manhã começou a subir a neblina, pois o mar está a apenas 7 km de distância.
Apesar de tudo a organização teve muita sorte nas condições do céu.

Observatório do Pinhal do Rei XXII

2002.05.17
Recinto Obs. Astronómico Pinhal do Rei (39.75N 9.00W alt:93m)
22:00 ás 23:30 UTC
Magnitude zénite:5.5+ Antoniadi: II (estável)
Céu com muitas nuvens mas com grandes abertas,vento e temperatura amena. Lua a 30%
Dobson Brightstar Spacewalker 200mm f/6
Plossl 32mm (38x 78'), Panoptic 19mm (63x 64'), Nagler 9mm (133x 37')
Sky Atlas 2000.0 (Tirion)

Finalmente, algum bom tempo para observar céu profundo, mesmo com os 30% de fase da Lua, não podia desperdiçar esta (cada vez mais ?) rara ocasião. Nestes tempos em que as condições meteorológicas andam cada vez mais atípicas.
Já fazia mais de 3 meses desde a minha última observação mas a sério do céu profundo....

Leão (Leo)

Galáxia Messier 66 (NGC 3627) mag 8.9 bs 12.5 dim 9.0'x4.2' classe SAB(rs)a pec
Galáxia de grandes dimensões com um núcleo brilhante, com forma mais ou menos arredondada. Esta galáxia é a mais brilhante desta área, e dá o nome ao subgrupo da Nuvem de galáxias Leo I, ao qual também pertencem as galáxias abaixo observadas. Com pan 19mm, foi possível observar confortavelmente as três galáxias simultaneamente, algo relativamente raro, proporcionando um bom quarto de hora de observação intercalado por alguns nuvens que por lá passavam. Lá perto, encontra-se uma estrela de magnitude 7, que indica a direcção em que devemos procurar a NGC 3628 e também qual é a Messier 65. Este grupo está a 31 milhões anos-luz.

Galáxia Messier 65 (NGC 3623) mag 9.3 bs 12.4 dim 9.5'x2.3' classe Sb
Esta galáxia é a segunda mais brilhante do subgrupo de Messier 66, e notoriamente mais alongada que a Messier 66, mas algo menos brilhante. O núcleo é relativamente grande e brilhante em relação ao restante observável na galáxia.

Galáxia NGC 3628 (H 175, D 58) mag 10.5 bs 13.7 dim 14.0'x4.0' classe Sb pec sp III
A menos brilhante, e de longe a maior e mais alongada. A sua presença não foi imediatamente notada, devido ao seu baixo brilho de superfície, mas uma vez adquirida e utilizando a visão indirecta, é uma das mais interessantes galáxias "vistas de lado".

Galáxia NGC 2903 (H 130, D 54) mag 10.0 bs 13.4 dim 12.0'x5.6' classe SAB(rs)
Galáxia relativamente fácil de encontrar (a pouca distância da boca do Leão), que apesar da Lua, foi possível observar pelo menos o seu alongado e intenso núcleo e halo, parecendo portanto menor que as dimensões atribuídas. A voltar observar sem Lua.

Galáxia NGC 3607 (D 57, H 168) mag 10.0 bs 13.6 dim 4.6'x4.1' classe SA(s) 0
Pequena e redonda galáxia e fácil de encontrar, assemelhando-se a uma pequena bola ténue de fumo.

Galáxia Messier 96 (NGC 3368) mag 9.3 bs 12.9 dim 7.5'x5.0' classe Sbp
Galáxia brilhante com núcleo quase pontual e intenso e halo ligeiramente alongado. Esta galáxia também dá o nome a este subgrupo que contém a Messier 95, Messier 105 e NGC 3384, pertencendo também à Nuvem de Galáxias Leo I, distanciando-se, à semelhança do subgrupo Messier 66, a 31 milhões de anos-luz. Embora não comparável em espectáculo visual ao trio de Messier 66, não deixa de ser um grupo interessante de observar, estando todas estas galáxias a um simples toque no tubo do telescópio.

Galáxia Messier 95 (NGC 3351) mag 9.7 bs 13.5 dim 8.5'x5.0' classe SBb
Embora com praticamente o mesmo brilho de Messier 96, também tem um núcleo estelar e brilhante rodeado de um halo arredondado, aparentando ter o mesmo tamanho.

Galáxia Messier 105 (NGC 3379, H 156) mag 9.3 bs 12.1 dim 3.8'x3.8' classe E1
Mais um trio do qual só consegui observar duas galáxias. A Messier 105 é muito brilhante e uma quase perfeita bola redonda com um núcleo estelar claramente evidente.

Galáxia NGC 3384 (H 157, D 55) mag 9.9 bs 12.8 dim 5.5'x2.9' classe SB(s)0
Visivel conjuntamente com a Messier 105, é quase um seu "copy and paste", pois partilha quase a mesma descrição de galáxia com núcleo redondo estelar, mas menos brilhante e mais pequena.

Cabeleira de Berenices (Coma Berenices)

Galáxia Messier 64 (NGC 4826) "Blackeye Galaxy" mag 8.5 bs 12.4 dim 10.0'x5.0' classe Sa
Galáxia muito brilhante com núcleo também ele muito brilhante e de grandes dimensões, alongada e brilho algo irregular. Eu bem que procurei a marca que lhe dá o nome "olho negro", mas sem sorte. Está num grupo conjuntamente com a Messier 94 que se situa a 24 milhões anos-luz.

Depois de começar a atacar a zona entre as constrelações de Cabeleira, Leão e Virgem, cheguei rapidamente à conclusão que tenho que preparar bem a observação desta área em casa, devido à quantidade assustadora de galáxias, sendo mesmo complicado identificar qual é galáxia é qual, que devido à relativa falta de estrelas é necessário aplicar "galaxy- hopping"!.

Cometa C/2002 C1 Ikeya-Zhang

Depois de ter perdido a maior aproximação do Ikeya-Zhang com Messier 13 devido a mau tempo. Nesta altura, já se situava a mais de 3 graus do enxame, mas ainda faziam um bom par com os binos, sendo o cometa aparentemente 2 ou 3 vezes maior. Já não tem o brilho e nem cauda de algumas semanas atrás, mas ainda apresenta um impressionante coma.

Cometa C/2002 C1 Ikeya-Zhang 17-Maio-2002 23:45 UTC
Cometa C/2002 C1 Ikeya-Zhang 2002-05-17 23:45 UTC
Canon Powershot G1 4x8 seg. (100 mm) 400 ISO
Cena binocular com o cometam o enxame globular Messier 13 e a dupla Nu Draconis no mesmo campo

Para finalizar, fui revisitar alguns dos meus favoritos, como a Messier 51 e companheira que estavam espectaculares, Messier 13, Messier 92, Messier 57 entre outros.

Observatório do Pinhal do Rei XXIII

2002.05.18
Recinto Obs. Astronómico Pinhal do Rei (39.75N 9.00W alt:93m)
21:00 ás 22:20 UTC
Magnitude zénite:5.0+ Antoniadi: II (estável)
Céu limpo com algumas nuvens, temperatura amena. Lua a 40%
Dobson Brightstar Spacewalker 200mm f/6
Plossl 32mm (38x 78'), Panoptic 19mm (63x 64'), Nagler 9mm (133x 37')
Sky Atlas 2000.0 (Tirion).

Esta sessão foi especialmente dedicada a observar objectos que me restavam na constelação de Hidra, que devido a terem uma declinação bastante baixa são algo complicados de localizar e observar.
Não pude evitar fazer uma última imagem à conjunção de planetas que entretanto já não tem a companhia de Mercúrio, e dei uma salto ao miradouro da Praia de S.Pedro de Moel.

Hidra (Hydra)

Nebulosa planetária NGC 3242 (D50, C 59, H 159) "Ghost of Jupiter". mag 7.8 dim 21 classe 4(3b)
Extremamente brilhante, com um disco quase circular com textura algo indefinida, mas uniforme de cor acizentada ou talvez azul pálido. Lá perto, está uma estrela de magnitude 7.8 que contrasta bem com a natureza difusa da nebulosa. O seu nome deve-se ao facto de ter um tamanho aparente parecido com o planeta Júpiter, embora me tenha parecido mais pequeno.

Enxame globular Messier 68 (NGC 4590) mag 8.2 dim 12.0' classe 10
Globular de média dimensão, pouco concentrado, onde apenas consegui resolver algumas estrelas na periferia. O núcleo permaneceu um monte de estrelas de aspecto granular. A sua baixa altitude fez perder grande parte do contraste para uma melhor observação.

Galáxia Messier 83 (NGC 5236) mag 7.5 dim 11.2'x10.2' classe Sc
Galáxia grande e brilhante que faz vértice num triângulo formado com outras duas estrelas brilhantes próximas. Apresenta um núcleo redondo e brilhante rodeado por nebulosidade, na qual não consegui observar qualquer estrutura (espiral). Está a 22 milhões anos-luz e pertence ao Grupo de Centauro. Esta fotograficamente notável galáxia já produziu 4 supernovas em 50 anos.

Observatório do Pinhal do Rei XXIX

2002.06.01
Recinto Obs. Astronómico Pinhal do Rei (39.75N 9.00W alt:93m)
22:35 ás 11:00 UTC
Magnitude zénite:5.0+ Antoniadi: IV (instável)
Céu com neblinas mas com algumas abertas devido ao vento moderado/forte.
Dobson Brightstar Spacewalker 200mm f/6
Plossl 32mm (38x 78'), Panoptic 19mm (63x 64'), Nagler 9mm (133x 37')
Sky Atlas 2000.0 (Tirion)

Ao longo da viagem até ao local de observação, fui apreciando o brilhante par de planetas - Vénus (mag -4) e Júpiter (mag -1.9) que estando apenas separados por 2 graus e meio, adornavam o fim do dia. Este par no dia 3, estará separado por apenas 1 grau e 40 minutos de arco - a não perder.
Mal montei o aparato, o céu encobriu, mas com alguma teimosia (e ajuda do vento), lá surgiram algumas abertas, que apesar de tudo ainda permitiram observar mais três novos objectos.

Cabeleira de Berenice (Coma Berenices)

Galáxia Messier 85 (NGC 4382) mag 9.1 sb 13.0 dim 7.4'x5.5' classe SA(s)0 pec
Galáxia muito brilhante, com forma alongada e núcleo brilhante e pontual. Lá perto, observa-se uma estrela de magnitude 10.44 (TYC 1445-1572-1) que embora esteja na área da galáxia em aberturas maiores, pareceu-me exterior ao muito ténue halo observado. Pertence ao Enxame Coma-Virgo que está a 65-70 milhões de anos-luz. A título de curiosidade, passaram no campo da ocular nada mais, nada menos que 4 satélites.

Galáxia NGC 4394 (H 235) mag 10.9 sb 13.4 dim 3.6x3.2 classe (R)SB(r)b II
Esta galáxia está no mesmo campo de 1 grau (pan 19mm) da anterior galáxia, a apenas 8 minutos de arco e tendo sido apenas detectada com visão indirecta parecendo uma pequena, redonda e muito ténue mancha.

Galáxia Messier 99 (NGC 4254) mag 9.9 sb 13.2 dim 5.4'x4.7' classe SA(s)c I-II
Relativamente fácil de encontrar, situando-se perto de uma estrela de magnitude 5 (6 Comae), apresenta-se como uma pequena/média mancha difusa arredondada. Pouco detalhe observado devido ao seu baixo brilho de superfície.

Aeródromo XI - Conjunção Vénus com Júpiter

2002.06.03
Aeródromo da Gândara do Olivais (39.77N 8.82W alt:52m)
20:40-21:00 UTC
Nublado
Canon Powershot G1 e tripé

Como que por encomenda, surgiu uma gigantesca aberta de meia hora, apesar de um (meu)) prognóstico meteorológico desanimador. Com esta conjunção, praticamente se encerrou a espectacular série de alinhamentos e conjunções entre planetas (e Lua) para o corrente ano, pois todos eles, com excepção de Vénus, vão ficar mais alguns meses perto do Sol.

A próxima conjunção interessante será no dia 13, desta vez com Vénus a menos de 1 grau do crescente da Lua, tendo ainda a companhia de Júpiter e com sorte também a de Marte... por falar nele, tentar encontrar na imagem abaixo.

Conjunção Vénus Júpiter 03 de Junho de 2002 20:51 UTC
Conjunção Vénus Júpiter 2002-06-03 20:51 UTC
Vénus (mag. -4.0), Júpiter (mag. -1.9) separados por 1°38' e Marte (mag. 1.8)

Aeródromo XII - Conjunção Vénus com a Lua

2002.06.13
Aeródromo da Gândara do Olivais (39.77N 8.82W alt:52m)
20:30-22:00 UTC
Nuvens altas
Dobson Brightstar Spacewalker 200mm f/6
Plossl 32mm (38x 78')
Canon Powershot G1 e tripé

Conjunção ao fim do dia, com a maior aproximação a acontecer às 22:29 UTC, com uma separação de 0°44', mas com os objectos em questão a apenas 1° de altitude.

Lua, Vénus e Júpiter em 13-Junho-2002 20:59 UTC
Lua, Vénus e Júpiter em 2002-06-13 20:59 UTC
Nesta altura, Vénus esta separado em a cerca de 1 grau
mais abaixo está Júpiter
Lua e Vénus em 13-Junho-2002 21:59 UTC
Lua e Vénus em 2002-06-13 21:59 UTC
Os dois planetas estavam separados por apenas 55 minutos de arco.
A cor amarelada da Lua é devido à atmosfera, pois estava apenas 6 graus acima do horizonte.
A Lua apresentava uma fase de 10% e Vénus de 75%

Pátio 55 - Primeira sessão com o Takahashi FC-60 - Messier 13, 92, 57, 56, 4, 107, 9, 10, 12, 14, 3, 94, 63, 105, 51, 29, 27, 5, 81, 82, dupla-dupla, IC4665, NGC 5195, 6826, Albireo

2002.07.02
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
21:30-23:00 UTC
Magnitude ~4, Antoniadi II, Limpo
Takahashi FC-60 60mm f/8.33
Televue Panoptic 19mm (26x,2º35'), Nagler type6 9mm (56x, 1º29'), Barlow Ultima 2x e filtro Deepsky da Lumicon

Primeira oportunidade de ter uma sessão mais demorada com o novo instrumento - o pequeno refractor apocromático Takahashi de 60mm. Todos os objectos observados/detectados a apenas 26x salvo indicação diferente.

Apesar da sua diminuta abertura, grande parte dos objectos revelaram a sua verdadeira natureza, outros apenas se mostraram muito ténues (especialmente galáxias), que de qualquer modo, só eram facilmente observáveis por quem já os conhecesse previamente com outras bem maiores aberturas.

Hércules (Hercules)

Enxame globular Messier 13 (m:5.7 Ø17.0')
Sempre interessante, grande, alguma resolução na bordas

Enxame globular Messier 92 (m:6.4 Ø11.0')
Mais pequeno, mas com o núcleo aparentemente mais concentrado

Lira (Lyra)

Nebulosa planetária Messier 57 (m:9.4 Ø86"x62") "Nebulosa do Anel"
Anel cinzento. Andei a verificar a menor magnitude visível, observando directamente estrelas de magnitude inferior a 11 - tendo em conta as condições e abertura - nada mau. É provável conseguir observar estrelas até 12 ou mais fracas num céu mais escuro. A 112x embora tendo uma perca luminosidade, aguentou-se bem.

Enxame globular Messier 56 (m:8.3 Ø7.1')
Este globular é que podia ser um cometa.... muito ténue e pequeno.

4 5 Epsilon Lyrae (AB:m5.4,6.5 Sep:2.6" e CD:m5.1,5.3 Sep:2.3") "Dupla-Dupla"
a 112x (Nag 9+barlow), cada uma com o seu disco de airy e anel de difracçao - espaço negro a separar as estrelas. Um dos testes básicos para averiguar a qualidade óptica, no qual o pequeno Taka passou sem dificuldades e com distinção.

Também andei a fazer (mais) um startest na brilhante Vega para verificar a aberração cromática - tinha alguma, mas intermitente, especialmente quando a estrela não estava exactamente no meio do campo de visão, tendo talvez, alguma ajuda da atmosfera e da ocular sendo a meu ver praticamente negligivel.
O telescópio está colimadinho, sem astigmatismo observável, e deve apresentar uma correcção esférica dentro do 1/6 1/8 de onda (valores que são excelentes) - isto depois de olhar cerca de um milhão de vezes para as figuras do livro do Suiter "Star Testing Astronomical Telescopes" - mas ainda não é conclusivo que tenha aqui um bom exemplar.

Escorpião (Scorpius)

Enxame globular Messier 4 (mag:5.8 Ø26)
Muito poluição luminosa na área, mas perceptível com um granulado esparso. Faz vértice com a Antares (alfa) e a sigma.

Ofiúco (Ophiucus)

Enxame globular Messier 107 (mag:6.8 Ø15)
Pequeno e ténue - o mais ténue dos observados nesta constelação.

Enxame globular Messier 12 (mag:6.8 Ø15.0) e Enxame globular Messier 10 (mag:6.6 Ø15.0) - quase que cabiam no campo da pan 19mm (2 graus e meio). Brilhantes e dimensões medianas.

Enxame globular Messier 9 (mag:7.6 Ø9.3)
Muito baixo, logo afectado pela poluição luminosa

Enxame globular Messier 14 (mag:7.6 Ø12)
Um pouco afastado de estrelas brilhantes, parecido com Messier 12 e Messier 10.

Enxame aberto IC4665 (mag:4.2 Ø70)
Grande dimensões - uma dúzia de estrelas brilhantes esparsadas

Cães de Caça (Canes Venatici)

Enxame globular Messier 3 (m:5.9 Ø16')
Outro enxame de visita obrigatória, que está exactamente a meio da recta entre a Cor Carolli e a Arcturo do Boeiro. Brilhante, algo concentrado e textura granulada, sem resolução.

Galáxia espiral Messier 94 (m:8.1 Ø11.0'x9.1')
Quase estelar, mas uma ligeira nebulosidade arredondada denuncia-a.

Galáxia Messier 63 (mag:8.6 Ø12.0'x7.6 sb:13.4) "Galáxia Girassol"
Muito ténue e pequena, mas maior que a Messier 94.

Galáxia Messier 106 (mag:8.3 Ø18x7.9 sb:13.5)
Complicada de detectar, muito ténue, mas de razoáveis dimensões.

Galáxia espiral Messier 51 (m:8.4 Ø11.0'x7.8') "Galáxia Redemoinho" e companheira NGC 5195 (m:9.6 Ø5.4'x4.3')
Um desafio interessante, deu algum trabalho a vê-las directamente, mas lá observei duas desiguais nebulosidades que correspondiam aos respectivos núcleos.

Cor Caroli - alfa de Cães de Caça
Estrela dupla com magnitudes de 2.9 e 5.6, separadas por 19.3 segundos de arco

Ursa Maior (Ursa Major)

Dupla estrela Messier 40 (m9.0 e m9.3 mag sep:50")
Ok, a 29x e com alguma imaginação, é provável que se possa confundir com um cometa - duas redondas estrelitas de magnitude 10

Galáxias Messier 81 (m:6.9Ø26.0'x14.0') e galáxia irregular Messier 82 (m:8.4 Ø13.0'x6.0')
Este par de galáxias era perfeitamente notório e identificável, isto apesar de estar já um bocado baixo. Ambas exibiam as suas mais habituais características - forma e brilho

Cisne (Cygnus)

Enxame aberto Messier 29 (m:6.6 Ø7.0')
Este é um daqueles objectos que precisa de contexto e relativa pouca abertura para ser bem apreciado. A 26x e 2 graus e meio de campo fazia um quadro excelente com a Sadr (gama de Cisne), tendo o braço de Via Láctea como fundo (que não era visível à vista desarmada). Destaca-se muito bem das estrelas de fundo.

Estrela dupla Albireo (Beta Cygni)
A famosa e popular dupla estrela bicolor. Magnitudes de 3.09 e 5.11, e estando separadas por 34.3 segundos de arco, a uma distância de 410 anos-luz.

Nebulosa planetária NGC 6826 (m:8.8 Ø27"x24") "Nebulosa Pisca Pisca"
o nome inventei-o :). A nebulosa/estrela que se vê ou deixa de ver, conforme se olha para ela - directa ou indirectamente. Efeito só conseguido com um bocado mais de magnificação - 56x da nagler 9mm -

Raposa (Vulpecula)

Nebulosa planetária Messier 27 (m:8.8 Ø8'x5.7') - Estava muito bem destacada do fundo com a ajuda do filtro Deepsky (agradável surpresa!). Notava-se alguma textura e a forma de hélice/halter(maçã roída.

Serpente (Serpens)

Enxame globular Messier 5 (mag:6.0 s:12.0 )
Muito brilhante, algo concentrado, revelando textura granulada, sem resolução. Mas deveras impressionante através de um 60mm

Pátio 56 - Estrelas duplas

2002.07.04
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
21:30-23:00 UTC
Magnitude ~4, Antoniadi II
Geralmente limpo, mas encobriu completamente ás 23:00
Takahashi FC-60 60mm f/8.33 (500mm)
Televue Panoptic 19mm (26x,2º35'), Nagler type6 9mm (56x, 1º29'), barlow Ultima 2x

Este telescópio está a fazer renascer em mim o gosto de observar estrelas duplas - é um autêntico "natural born double star killer" :). Este tipo de observação que não requere céus muito escuros, nem adaptação completa dos olhos à escuridão, portanto, adequada à observação astronómica semi-urbana (leia-se "Pátio"). Neste momento estou a seguir a lista de estrelas duplas da Astronomical League.

Boeiro (Bootes)

Iota Bootis mag:4.9 7.5 sep:38" pa:33° - 26x
Pi Bootis mag:4.9 5.8 sep:5,6" pa:108° - 55x. Esta e a anterior observam-se no mesmo campo.
Epsilon Bootis "Izar, Pulcherrima" mag:2.5 4.9 sep:2,8" pa:339° - 110x. Complicada devido à estrela menos brilhante estar no anel de difração da mais brilhante.
Delta Bootis mag:3.5 8.7 sep:105" pa:79° - 26x
Mu Bootis "Alkalurops" mag:4.3 7.0 sep:108" pa:171° - 26x

Hércules (Hercules)

Alpha Herculis "Rasalgethi" mag:3.5 5.4 sep:4,7" pa:107° - 55x
Delta Herculis mag:3.1 8.2 sep:8,9" pa:236° - 55x
Rho Herculis mag:4.6 5.6 4,1 316° - 55x

Dragão (Draco)

Nu Draconis mag:4.9 4.9 sep:62" pa:312° - 26x - muito interessante em binóculo, duas estrelas exactamente iguais.
Psi Draconis mag:4.9 6.1 sep:30,3" pa:15° - 26x.

Observatório do Pinhal do Rei XXV

2002.07.06
Recinto Obs. Astronómico Pinhal do Rei (39.75N 9.00W alt:93m)
21:15-11:00 UTC
Mag 5+. Antoniadi III (algo instável)
Limpo com alguma nebulosidade, mais tarde com uma ligeira neblina
Takahashi FC-60 60mm f/8.33
Televue Panoptic 19mm (26x,2º35'), Nagler type6 9mm (56x, 1º29'), Barlow Ultima 2x e filtro Deepsky da Lumicon

Foi a primeira vez que levei o 60mm para um local (mais) escuro, e a diferença fez-se notar. Revi alguns objectos, nomeadamente as galáxias Messier 51/NGC 5195 e Messier 81/Messier 82, Messier 57, Messier 13, Messier 92 etc... com uma clareza, no mínimo espantosa para a abertura. Abri então as hostilidades com algumas estrelas duplas, pois quando iniciei a sessão ainda não era bem noite astronómica.

Dragão (Draco)

16/17 mag:5.4 6.4 sep:3,4" pa:108° - 55x.
16/17 Draconis2 mag: 5.5 sep:90 pa:194° - 26x
Mu Draconis mag:5.7 5.7 sep:2" pa:42° - 110x - a dupla com menor separação até ao momento. Definitivamente espaço negro entre as duas estrelas.

Ursa Maior (Ursa Major)

Galáxia Messier 101 (m:7.7 Ø27.0'x26' sb:14.7)
Galáxia que precisa de céus escuros, onde realmente fica fácil de detectar com visão directa. Grande e ténue nebulosidade arredondada num campo algo populado.

Nebulosa planetária Messier 97 (m:9.9 Ø3.4'x3.3')
O troféu da noite. Nunca esperei conseguir observar esta nebulosa tão directamente e com apenas 26x de magnificação - uma pequena nebulosidade redonda a fazer triângulo com duas estrelas de magnitude 6 e 7. A 55x era óbvia. A beta da Ursa Maior também era visível no mesmo campo.

Escorpião (Scorpius)

O enxame globular Messier 4 estava bem melhor definido e resolvido em comparação com dias antes no pátio.

Enxame globular Messier 80 (mag:7.3 Ø8.0)
Bem mais modesto que o Messier 4 - pequeno e algo concentrado, com textura granular.

Sagitário (Sagittarius)

Um festim de objectos, como é costume nesta área do céu. Comecei no topo do pote.

Enxame globular Messier 22 (NGC 6656) mag 5.1 dim 24.0' classe 7
Globular brilhante e de grandes dimensões - granular com alguma (pouca) resolução.

Enxame globular Messier 28 (NGC 6626) mag 6.9 dim 11.2' classe 4
Mais pequeno que o anterior - mas com a típica aparência granulada.

Enxame aberto Messier 8 (NGC 6523) "Lagoon Nebula" mag 5.0 dim 35.0'x50.0' classe E
A sempre espectacular nebulosa e enxame. A nebulosa é bastante visível, assim como muitas das estrelas.

Enxame aberto Messier 20 (NGC 6514) "Trifid nebula" mag 6.3 dim 30.0'x20.0' classe n
Outro enxame com nebulosa de emissão e reflexão mais acima da Messier 8.

Enxame aberto Messier 21 (NGC 6531) mag 6.5 dim 13.0' classe I 3 m
Perto do enxame anterior com algumas estrelas brilhantes nm grupo compacto.

Enxame aberto Messier 25 (IC 4725) mag 4.63 dim 30.0' classe I 2 p
Enxame esparso e com algumas dezenas de estrelas, estando algumas delas agrupadas.

Enxame aberto Messier 23 (NGC 6494) mag 5.5 dim 27.0' classe III 1 m
Bonito e avantajado, com muitas estrelas resolvidas.

Enxame aberto Messier 18 (NGC 6613) mag 6.9 dim 9.0' classe II 3 p n
Este enxame não muito destacado devido a estar numa zona muito populada.

Enxame aberto Messier 17 (NGC 6618) "Omega nebula" ou "Swan nebula" mag 6.0 dim 30.0'x30.0' classe III 3 m n
Um dos meus favoritos nesta área. A nebulosidade é bastante evidente e até tem a forma irregular característica.

Serpente (Serpens)

Enxame aberto Messier 16 (NGC 6611) e nebulosa de emissão IC 4703 mag 6.0 dim 6.0' classe II 3 m
Enxame com nebulosa, constituído por mais de uma dezena de estrelas em que se nota alguma nebulosidade.

Escudo (Scutum)

Enxame aberto Messier 26 (NGC 6694) mag 8.0 dim 15.0' classe I 1 m
Enxame difuso com quase nenhuma resolução.

Enxame aberto Messier 11 (NGC 6705) "Wild duck cluster" mag 5.8 dim 14.0' classe I 2 r
Grande concentração de estrelas - grande parte delas não resolvidas, assemelhando-se a um enxame globular.

Pátio 57 - Estrelas duplas

2002.07.10
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
21:30-23:00 UTC
Magnitude ~4, Antoniadi III. Limpo, ligeira neblina, luzes
Takahashi FC-60 60mm f/8.33 (500mm)
Televue Panoptic 19mm (26x,2º35'), Nagler type6 9mm (56x,1º29'), Barlow Ultima 2x

Mais umas estrelas duplas e uma planetária para afinar a pontaria. Tentei ainda separar a Antares (alfa de Escorpião) usando filtros, mas sem sorte.

Hércules (Hercules)

95 Herculis mag:5.0, 5.1 sep:6.3" pa:258° - 55x
Kappa Herculis "Maasym" mag:5.3, 6.5 sep:28" pa:12° - 26x

Corôa Boreal (Corona Borealis)

Zeta Corona Borealis mag: 5.1, 6.0 sep:6.3" pa:305° - 55x
Sigma Corona Borealis mag:5.6, 6.6 sep:6.2" pa:233° - 55x

Escorpião (Scorpius)

Beta Scorpii "Acrab,Graffias" mag:2.6, 4.9 sep:13.6" pa:21° - 26x

Dragão (Draco)

Nebulosa planetária NGC 6543 (m:8.3 Ø22.0"x16.0" c*:10.9) "Olho do Gato"
Planetária brilhante quase estelar em baixa magnificação, mas a 55x e especialmente a 110x mostra um disco redondo acinzentado e difuso.

Quarteira - Ocultação da kappa 98 Virginis

2002.07.17
Quarteira (Algarve)
22:00-23:00 UTC
Mag 2. Antoniadi IV (má)
Takahashi FC-60 60mm f/8.33 (500mm), Televue Radian 14mm (36x 101'), Barlow Ultima 2x
Canon Powershot G1

Levei o takito para férias, e deparei com esta ocultação (e rasante acima de Coimbra) que já me tinha esquecido.
È interessante ver a estrela desaparecer no lado da noite lunar. A estrela é muito brilhante (mag 4.12), mas não era visível à vista desarmada devido às condições do local.

kappa Virginis em 17-Julho-2002 22:14 UTC
kappa Virginis em 17-Julho-2002 22:14 UTC
A cerca de 3 minutos de ser ocultada pela Lua
kappa Virginis em 17-Julho-2002 22:47 UTC
kappa Virginis em 17-Julho-2002 22:47 UTC
Imediatamente após reaparecer...
São apenas dois pixels muito ténues a meio do arco (para os ver colocar o nariz a uma distância de um palmo do ecrã :^)) )

AstroVide 2002

2002.07.20
Castelo de Vide
14:00-04:00++ UTC
Mag 6 (após a Lua se pôr). Antoniadi II (boa)

Primeiro encontro de astronomia organizado em Castelo de Vide, tendo como um dos organizadores o Acácio Lobo ( http://planeta.clix.pt/acaciolobo/encontro1.htm ), que é membro da Astrolista.
O evento iniciou-se às 3 da tarde. com palestras sobre variados temas, podendo-se nos intervalos dar uma espreitadela ao Sol e às bancadas de exposição de dois dos comerciantes da nossa praça: Galáctica Messier 51 e a Perseu, terminando depois das 5 horas do dia seguinte, na Barragem de Póvoa e Meadas. No Domingo, também houve uma visita guiada à localidade e arredores. Do pouco que tive ocasião de notar, é uma região bonita com muitos motivos de interesse - Castelo, Antas, Serras etc...

Eís alguns instantâneos obtidos durante a tarde em Castelo de Vide

AstroVide 2002
Largo junto ao local de palestras
observação solar e exposição de equipamento
AstroVide 2002
"Então o que é que se vê ?"
"Oh chefe acho que tem as lentes sujas!"
AstroVide 2002
Duas pequenas astrónomas a observar a Lua...
AstroVide 2002
E o que estavam a ver....
AstroVide 2002
"Ok, quem quer dar um espreitadela a 1000x ?"
Um prático conjunto de ocular de 2mm com uma barlow 2x nem é preciso fazer contas, basta saber o comprimento focal do telescópio :)
AstroVide 2002
Guilherme de Almeida a testar uma ocular num Megrez de 80mm

Infelizmente não tirei nenhuma foto do local de observações nocturnas, mas aqui vai um breve relato.

Barragem de Póvoa e Meadas

Esta barragem situa-se a um quarto de hora de carro de Castelo de Vide, e foi fácil de encontrar. Quando lá cheguei já muito pessoal tinha a tenda montada. Também tinha trazido uma, mas tive a infeliz ideia de não a montar.

O local escolhido foi fantástico, com muito céu e com muito poucas áreas onde se pudesse notar a pouca poluição luminosa, que após a Lua se ir deitar (4 e picos da manhã) me fez lembrar o céu da Serra da Estrela na Astrofesta de 1999.

Estiveram montados diversos telescópios, onde as várias dezenas de pessoas puderam dar um olhadela às diversas jóias em exibição - sendo de salientar (porque estive lá "plantado" perto quase toda a noite) o newtoniano de 20cm numa montagem EQ-6 equipada com computador Skysensor, onde estava conectada uma câmara (uma Mintron julgo eu), que permitia ver em tempo quase-real uma grande variedade de objectos - inclusive o Quinteto de Stephan (5 galáxias num pequeno campo de difícil observação visual) e as duas estrelas no interior da planetária Messier 57, isto no meio de muitos, muitos outros objectos. Tendo em consideração o intenso luar foi no mínimo espantoso.

Depois das quatro da manhã, veio a "Hora de Ouro" - um céu verdadeiramente espantoso, com uma magnitude limite provavelmente superior a 6, e com uma também rara transparência - os braços da Via Láctea que se bifurcavam a Sul, estavam com um pouco usual detalhe e imponência.

Nesta altura já só restavam três telescópios e respectivos donos - um dob 20cm do Carlos Seabra, um reflector de 15cm equatorial do João Montenegro e o meu pequeno refractor taka de 60mm. Nós os três, rodopiava-mos por todos telescópios, que estavam quase sempre sincronizados nos mesmos objectos.

O tempo que restava até ao crepúsculo era escasso, mas a mão cheia de objectos que observamos foram frequentemente revisitados - especialmente Messier 31, Messier 32, Messier 110 que estavam simplesmente divinais - a 26x e com 2 graus e meio de campo, a Messier 31 espalhava-se de extremo a extremo com as suas duas galáxias satélites bem evidenciadas.
A galáxia do Triângulo Messier 33 era um objecto de trivial observação, tal como a forma de maçã roída de Messier 27. O duplo enxame de Perseu estava como nunca o tinha visto. Enfim, revisitamos também outros objectos que já não me recordo, pois estou a escrever este texto passados já 10 dias....

Terminamos com o planeta Saturno e seus satélites que estava a nascer conjuntamente com a constelação de Touro e já com a Via Láctea a começar lentamente a desvanecer-se.

Grandes céus, com muita qualidade e transparência, que infelizmente cada vez mais se vão tornando mais difíceis de encontrar, mas esta barragem e um excelente local escuro e parece-me que deverá ainda aguentar-se assim por alguns tempos...

Quarteira II - Lua Cheia

2002.07.23
Quarteira (Algarve)
20:00-20:15 UTC
Dia. Antoniadi IV (má)
Takahashi FC-60 60mm f/8.33 (500mm)
Televue Plossl 32mm (16x 192')
Canon Powershot G1

O nascer da Lua Cheia nunca deixa de fascinar. Quando a Lua é comparada com árvores ou edifícios parece uma enorme bola, acontecendo assim o conhecido fenómeno da Ilusão da Lua. Quando a Lua cheia é coincidente com o perigeu (ponto da órbita mais próximo da Terra), o efeito ainda é mais acentuado.

Lua em 23-Julho-2002 20:12 UTC
Lua em 23-Julho-2002 20:12 UTC
Com 99.6% de fase e a apenas 5 graus de altitude

Pátio 58 - Cometa C/2002 O4 (Hoenig)

2002.08.07
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
22:30-00:30++ UTC
Magnitude ~4, Antoniadi III. Neblina e provavelmente nuvens altas
Takahashi FC-60 60mm f/8.33
Televue Panoptic 19mm (26x,2º35'), Nagler type6 9mm (56x, 1º29')
Dobson Brightstar Spacewalker 200mm f/6
Panoptic 19mm (63x 64'), Nagler 9mm (133x 37')

A minha primeira observação visual deste novíssimo e ainda ténue cometa.
Apesar da magnitude limite, e da ligeira neblina que afectava e bem a transparência, não foi difícil encontrá-lo pois estava a menos de 2 graus da estrela de magnitude 3.5 Iota (32) Cephei.
A 63x e 1 grau de campo fazia vértice com uma estrela de magnitude 8.5 e um triângulo equilátero de estrelas de magnitude 10+, estando ainda posicionado por cima de uma estrela de magnitude 11 que se observava de modo intermitente.
No 20 cm pode-se descrever a coma como uma pequena nebulosidade ligeiramente alongada e uniforme não maior que 2 a 3 minutos de arco, sem condensação nuclear visível. O brilho da coma pareceu-me inferior às estrelas de mag 10 desfocadas.
Neste momento está a movimentar-se rapidamente, sendo bem notório a sua mudança de posição no espaço de 1 hora.
O 6 cm teve de aguardar que a Terra rodasse mais um pedaço, para o cometa se tornar, o quanto muito, detectável. Num céu mais escuro creio ser fácil observá-lo com o binóculo de 42mm...

Ainda digna de nota foi a primeira (e ainda única) Perseída que tive ocasião de ver, que embora tenha sido rápida, foi bem brilhante, fazendo um rasgo de pelo menos 15 graus no céu. Também prometem...

Aeródromo XIII - Conjunção Vénus com a Lua e ISS


2002.08.11
Aeródromo da Gândara do Olivais (39.77N 8.82W alt:52m)
20:30-22:00 UTC
Nuvens altas
Takahashi FC-60 60mm f/8.33
Televue Panoptic 19mm (26x,2º35'), Nagler type6 9mm (56x, 1º29')
Canon Powershot G1 e tripé

Conjunção ao fim do dia, com a maior aproximação a acontecer às 22:29 UTC com uma separação de 0°44', mas os objectos em questão apenas estariam a 1° de altitude.

Lua, Vénus e Júpiter em 11-Agosto-2002 20:30
Lua, Vénus e Júpiter em 2002-08-11 20:30 UTC
Vénus a 5 graus da Lua
ISS em 11-Agosto-2002 20:30
ISS em 2002-08-11 20:30 UTC
A passar perto da estrela polar, em Ursa Menor
exposição de 8 segundos

Ponto da Castrinha II - Perseidas, Cometa C/2002 O4 (Hoenig)

2002.08.12
Ponto da Castrinha
21:00 as 01:00 UTC
Magnitude zénite: 5.5+ Antoniadi: II(estável)
Céu limpo. Neblinas baixas que foram subindo para o final da sessão
Takahashi FC-60 60mm f/8.33
Televue Panoptic 19mm (26x,2º35'), Nagler type6 9mm (56x, 1º29'), Canon Powershot G1

Cometa C/2002 O4 (Hoenig)

Segunda observação visual deste cometa, que está a ficar cada vez mais brilhante. Desta vez estava a cerca de 3 graus e meio da Beta (8) Cephei, também conhecida por Alfirk.

Observei-o primeiramente com o 6cm a 26x e 2 graus e meio de campo, e notei um grande aumento de brilho e de tamanho relativamente à observação anterior (no dia 7), altura em que era quase imperceptível neste mesmo telescópio.
No binóculo 10x42, ainda se apresentou mais impressionante e curiosamente maior, o que confirma a regra que se deve utilizar o menor abertura em que o cometa seja confortavelmente observável para fazer as estimativas de tamanhos e brilhos, coisa que de resto, não me lembrei de fazer na altura... No final da sessão verificou-se uma deslocação notória do cometa.

Perseídas

Não se pode dizer que tenham sido especialmente impressionantes, pelo menos até às 1:45 UT, a hora em recolhi. Embora eu não estivesse propriamente a contá-los, entre todos os presentes, observaram-se algumas dezenas ao longo da sessão, que foram especialmente brilhantes e com um longo rasto, tendo algumas deixado um rasto largo e fumarento que de resto é típico destes meteoros. Para além de algumas "rajadas" de 4 ou 5 meteoros em menos de 1 minuto, pouco mais se pode dizer desta escassa e esparsa chuva. Também houve outros tantos meteoros não relacionados. Das 42 exposições que fiz, nem um meteoro saiu na rifa...

Outros objectos

Com um céu desta qualidade, seria uma pena não aproveitar para observar alguns dos objectos que no momento adornam o céu de Verão, especialmente nas congestionadas áreas de Sagitário (Messier 8, Messier 20, Messier 21, Messier 24, Messier 16, Messier 17 e por aí acima...), Escorpião (Messier 6, Messier 7), passando também pela Andrómeda (Messier 31, Messier 32, Messier 110), Triângulo (Messier 33 bem visível no bino), Hércules (Messier 13), Lira (Messier 57 e dupla-dupla), Perseu (enxame-duplo) e finalmente, a tentativa de falhada de observar A Nebulosa "Norte-Americana" (NGC 7000) e a do "Véu" (NGC 6962) em Cisne - com e sem filtro deep-sky. Devido à muita humidade, passadas duas horas, o telescópio estava completamente molhado e as ópticas embaciadas - a primeira molhadela do Takito :)) ... É bom que se habitue....

A observar Sagitário
A observar Sagitário

Astrofesta 2002 - Nisa

2002.08.16-18
Nisa

Mais uma edição da maior festa de Astronomia do País, desta vez realizada perto de Nisa no distrito de Portalegre.

1º Dia - Sexta 16

Cheguei ao fim da tarde, e montei o iglo (com alguma ajuda) na "aldeia", que entretanto se fundou nas imediações do monte onde se localizava local de observação. Apesar dos pedregulhos e do Sol, ainda foi possível dormir algumas horas.

À noite, estiveram montados diversos telescópios de todos os tamanhos e feitios, que para além da Lua, também davam a mostrar muitos dos enxames e nebulosas, que no momento estão em posição favorável de observação. Entre muitos, ficaram anotadas as vistas de grande campo das galáxias Messier 31 e as satélites Messier 32 e Messier 110 em Andrómeda e do duplo enxame em Perseu. A actividade meteórica também foi significativa, observando-se ainda algumas perseidas.

Depois da Lua se pôr, revelando finalmente uma noite à volta da magnitude 6 no zénite, também estiveram interessantes, para mim pelo menos, os cometas C/2002 O4 (Hoenig) que se encontrava entre a Ursa Menor e Cefeu, e também a minha primeira observação do maior e mais brilhante C/2002 O6, que fazia triângulo com a Castor e a Pollux de Gémeos.

A noite terminou já com Júpiter a elevar-se, e com uma excelente vista de Saturno a mais de 200x, que perto do raiar do dia já se encontrava bem alto. Apenas restaram meia dúzia de resistentes.

Astrofesta 2002
Júpiter a nascer com o dia

2º Dia - Sábado 17

No fim da manhã, e durante toda a tarde foi-se observando o Sol, testando equipamento, e bebendo algumas cervejas fresquinhas :) juntamente com muitas e interessantes conversas, nomeadamente com um conhecido comerciante e astrónomo amador alemão Markus Ludes, que já teve oportunidade de olhar criticamente através de centenas de telescópios por esse mundo fora - um verdadeiro guru.
Também deu para conhecer as caras de alguns nomes das listas da Net. Durante a tarde também se realizaram algumas palestras.

Astrofesta 2002
Os dois instrumentos solares de serviço
Takahashi FC-60 e binóculo de fluorito Kowa de 80mm (do Ludes)
O Sol apresentava uma mancha de grandes proporções (0069), que era inclusive visível apenas com o filtro.

Estiveram presentes praticamente todos os comerciantes de instrumentos da nossa praça - Perseu, Galactica, Astrofoto e Brightstar, mostrando uma imensa panóplia de telescópios, montagens, oculares, filtros entre muitos outros acessórios. Eu não resisti :^) e comprei mais uma ortoscópica (25mm) e um adaptador para agarrar a máquina fotográfica às oculares para experimentar.

Astrofesta 2002
Estreia do Merak 18"
O primeiro grande dobsoniano comercial concebido e fabricado em Portugal com a estrutura feita pela Brightstar e espelhos ingleses.
Foi uma das estrelas da noite.

Ao cair do dia, iniciou-se uma autêntica invasão de visitantes, a contar com a quantidade de pessoas que vi a subir o monte, presumo tenha esgotado a área dedicada â observação e palestras, (eu só subi depois da 1 da manhã).

No topo estavam dezenas de telescópios, binóculos e um impressionante aparato multimédia. Foi possível acompanhar a travessia do mediático asteróide NY40 numa projecção, e observar a Messier 31 e as suas duas "dust-lanes" e Messier 42 (como nas imagens mas verde :)) através de um telescópio de 18". Também vi, pela a primeira vez a Nebulosa "North-America" em Cisne num binóculo de 80mm com filtros OIII - mesmo assim muito ténue (por causa da Lua). Neste mesmo binóculo também tive inesquecíveis vistas da Messier 31, Duplo de Perseu e do cometa Hoenig. Parece repetição mas são dos objectos mais espectaculares em _qualquer_ abertura.

Astrofesta 2002
A noite mais longa
A vez para dar uma espreitadela era longa.
Astrofesta 2002
18"
Um céu escuro e um telescópio de 18" a apontar para Messier 42...

Esta noite foi significativamente mais húmida que a anterior (muito seca aliás, devido provavelmente ao incêndio que deflagrou a algumas dezenas de quilómetros), causando o retiro prematuro de alguns telescópios (inclusive o meu pequeno taka), mas houve um grande número de observadores e telescópios até o Sol esconder definitivamente o céu.

Pátio 59 - Cometa C/2002 O4 (Hoenig)

2002.08.21
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
22:00-22:30 UTC
Céu nublado. Lua cheia
Takahashi FC-60 60mm f/8.33 (500mm), Kasai Orto 25mm (20x 120')
Canon Powershot G1

Mesmo com a Lua praticamente cheia, aproveitei a passagem deste cometa perto da Polar (rotação menor), e tirei uma imagem afocal com tripé fixo usando o novo adaptador com a também novíssima ortoscópica de 25mm adquirida na Astrofesta.
Pode não ser um grande feito, mas a magnitude estelar alcançada foi de magnitude 11, um recorde com a Canon G1 (e para mim).

Cometa C/2002 O4 Hoenig 22:05 UTC
Cometa C/2002 O4 Hoenig 22:05 UTC
Imagem pouco evidente deste cometa, que se pode notar como meia dúzia de pixeis esverdeados no centro da circunferência.
A estrela mais brilhante é a zeta Umi e magnitude do cometa no skymap era 9.3
Imagem 4 seg. 200 ISO

Pátio 60 - Esboços do cometa C/2002 O4 (Hoenig) e planetária "Olho de Gato"

2002.08.28
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)21:00-22:45 UTC
Magnitude ~4, Antoniadi IV (instável)
Neblina e provavelmente nuvens altas
Takahashi FC-60 60mm f/8.33
Televue Panoptic 19mm (26x,2º35'), Nagler type6 9mm (56x, 1º29')
Dobson Brightstar Spacewalker 200mm f/6
Panoptic 19mm (63x 64'), Nagler 9mm (133x 37')

Pequena sessão para acompanhar/registar a evolução do cometa Hoenig. Não era visível no tak 60mm, mas nem sequer era desafio para o 20 cm. Não apresenta cauda e parece-me estar a ficar mais ténue. Aproveitei também para esboçar a planetária "Olho de gato" que estava relativamente perto.

Cometa C/2002 O4 Hoenig 22:15 UTC
Cometa C/2002 O4 Hoenig 22:15 UTC
Dob 20cm 63x, 65'
Esboço do cometa e estrelas usadas na estimativa (tycho)
Magnitude da coma >10 com 2 minutos de área oval, sem cauda e muito ligeira condensação nuclear
NGC 6543 "Olho de Gato" em Dragão (Draco)
NGC 6543 "Olho de Gato" em Dragão (Draco)
Dob 20cm 133x, 37'
A estrela com que faz par com esta planetária tem 9.7 de magnitude.
No 60mm detecta-se com uma estrela desfocada (gorda) a 55x (nag9).
No 20cm nota-se que não tem brilho uniforme

Pátio 61 - Esboços de C/2002 O4, Messier 13 e Messier 57

2002.08.29
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
21:00-22:30 UTC
Magnitude ~4, Antoniadi IV (instável)
Neblina e algumas nuven.
Dobson Brightstar Spacewalker 200mm f/6
Panoptic 19mm (63x 64'), Nagler 9mm (133x 37')

Mais um esboço do cometa Hoenig e também do Messier 13 para treinar. Também fiz esboços da Messier 57 e do Messier 15.

Cometa C/2002 O4 Hoenig 22:00
Cometa C/2002 O4 Hoenig 22:00 UTC
Dob 20cm 63x, 65'
Esboço do cometa e estrelas usadas na estimativa (tycho)
Magnitude da coma +-10
Messier 13 em Hércules
Messier 13 em Hércules
Dob 20cm 63x, 65'
Primeiro esboço
Messier 57 em Lira
Messier 57 em Lira
Dob 20cm 133x, 37'
Primeiro esboço

Barragem de Belver - Vénus, Úrano, Esboço de Messier 15, NGC 752

2002.08.31
Barragem de Belver (Mação)
20:00-00:30++ UTC
Magnitude ~5, Antoniadi III (instável)
Neblina. Poluição luminosa qb
Takahashi FC-60 60mm f/8.33 (500mm)
Televue Radian 14mm (36x 101'), Barlow Ultima 2x, Televue Panoptic 19mm (26x,2º35'), Nagler type6 9mm (56x, 1º29')
Canon Powershot G1

Uma pequena foto de Vénus que se encontrava perto da Espiga (alfa) da constelação Virgem.

Vénus 19:34 UTC
Vénus 19:34 UTC
A iluminação de 43% de Vénus, dimensão de 27.34" e com elongação de 45,7°

Após ter encontrado o único cantinho do parque sem iluminação directa, fui observar pela primeira vez o planeta Urano com o Taka. Pouco se distinguia da sua actual estrela acompanhante (Mu Capricorni). É necessário talvez, um pouco mais de abertura para mostrar o característico tom azul esverdeado. De seguida, fui revisitar longamente as incondicionais galáxias Messier 31, Messier 32, Messier 110 e Messier 33.

Pégaso (Pegasus)

Enxame globular Messier 15 (mag:6.4 Ø12.3)
Um dos meus globulares preferidos, bastante concentrado e apresenta uma granulação bastante acentuada. A 55x, o quadro é interessante devido estar perto de meia dúzia de estrelas brilhantes

Messier 15 em Pégaso
Messier 15 em Pégaso
Dob 20cm 133x, 37'

Triângulo (Triangulum)

Enxame aberto Caldwell 28 (NGC 752) mag 5.7 dim 50.0' classe III 1 m
Enxame aberto de grandes dimensões, esparso, embora se denote do aparente vazio de estrelas na área.

Pouco mais deu para observar devido ao elevado número de curiosos que se iam aproximando, e quando se finalmente fiquei sossegado, já as neblinas tinham levantado.

Pátio 62 - Esboço de NGC 7331

2002.09.05
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
23:00-00:30 UTC
Magnitude ~4, Antoniadi III (instável). Neblina e algumas nuvens
Takahashi FC-60 60mm f/8.33 (500mm)
Televue Panoptic 19mm (26x,2º35'), Nagler type6 9mm (56x, 1º29')

Esta galáxia em Pégaso não é trivial de se ver num pequeno telescópio, mas o Taka fisgou-a bem, apesar de ser muito ténue, mas não ténue o suficiente que não a pudesse esboçar...

Galáxia Espiral NGC 7331
Galáxia Espiral NGC 7331
6 cm 56x, 89'
(mag:9.5 Ø11.0x4.0 sb:13.5)

Pátio 63 - C/2002 O4 (Hoenig), Albireo, Mu Cephei e NGC 6543

2002.09.06
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
23:00-01:30 UTC
Magnitude ~4, Antoniadi IV (instável). Neblina e muitas nuvens
Dobson Brightstar Spacewalker 200mm f/6)
Kasai Orto 25mm (48x 54')+Canon G1+adaptador, Panoptic 19mm (63x 64')

O cometa estava quase imperceptível no 20cm, a fazer vértice com a Mizar e a Alioth da Ursa Maior. Com visão indirecta, aparentava ser arredondado, sem cauda a relatar. Cada vez está mais baixo e com menos brilho - ao contrário do que o Skymap estima.
Também andei a experimentar com a ortoscópica de 25mm e o adaptador para a Canon, mas a turbulência e a rotação da Terra não perdoa. As exposições têm que ser muito curtas, para não haver arrastamento.

Beta Cygni - Albireo 7mm
Beta Cygni - Albireo 7mm
Exposição de 1/4 seg. em F/2 zoom 7mm ISO 400
Beta Cygni - Albireo 21mm
Beta Cygni - Albireo 21mm
Exposição de 1/6 seg. em F/2.5 zoom 21mm ISO 400
Mu Cephei
Mu Cephei
Esta estrela do tipo M2 também chamada "estrela de Garnet" e é uma supergigante pulsante com um período de 730 dias, variando entre magnitudes 3.4 e 5.1, estando a 3000 anos-luz.
É uma das minhas preferidas pois tem uma cor de laranja vivo.
NGC 6543 "Olho de Gato"
NGC 6543 "Olho de Gato"
Exposição de 4 seg. em F/2 zoom 7mm ISO 400
A estrela com que faz par com esta planetária tem 9.7 de magnitude
A sua declinação 66° permitiu ter 4 segundos de exposição sem grande "arrasto"

Pátio 64 - A luz da Terra

2002.09.09
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
19:20-19:40 UTC
Céu pouco nublado
Takahashi FC-60 60mm f/8.33, Televue Radian 14mm (36x 101')
Canon Powershot G1 e tripé

Conjunção longínqua com Vénus, mas com uma Lua que reflectia bem a luz da Terra.

Lua e Vénus em 09-Setembro-2002 19:27 UTC
Lua e Vénus em 2002-09-09 19:27 UTC
Vénus a quase 10 graus do crescente da Lua (10%)
Nada de especial, mas foi um fim de dia bonito
Lua e a luz da Terra na parte não iluminada em 09-Setembro-2002 19:39
Lua e luz da Terra na parte não iluminada em 2002-09-09 19:39 UTC
É sempre complicado obter os dois lados bem
Reparar no tom amarelado causado pela a atmosfera, pois estava já abaixo dos 15°

Capuchos I - Conjunção Vénus com a Lua

2002.09.10
Capuchos - Leiria
19:30-20:00 UTC
Céu pouco nublado
Canon Powershot G1 e tripé

Conjunção longínqua com Vénus, mas uma Lua que reflectia bem a luz da Terra.

A vista panorâmica....
A vista panorâmica....
Reparar como a Lua é realmente tão pequena
A conjunção no crepúsculo bem colorido....
Lua e Vénus em 2002-09-09 19:27 UTC
A conjunção no crepúsculo bem colorido...

Pátio 65 - Duas paisagens lunares

2002.09.15
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
20:00-21:00 UTC
Magnitude ~4, Antoniadi IV (instável). Neblina e muitas nuvens
Meade ETX90 90mm f/13.9 (~1250mm) + Kasai orto 25mm (50x 52') + Canon G1 + adaptador, Panoptic 19mm (63x 64')

Duas imagens com o ETX90 "unplugged", pois tirei o tubo da montagem (que tem o braço direito partido) e coloquei-o num tripé. Já estava com saudades deste pequenito que deve estar cheio de ciúmes do 60mm.

A Plato tem um diâmetro de 101 km e fundo escuro. Os Vallis Alpes tÊm 180 km e cortam a meio os Montes Alpes que são uma cadeia de montanhas lunares típicas, tendo o Mons Blanc como pico mais alto (3600 m)

A Plato (Rukl 3), Montes Alpes (Rukl 33), Vallis Alpes (Rukl 20) e Mons Piton (Rukl 32)
A Plato (Rukl 3), Montes Alpes (Rukl 33), Vallis Alpes (Rukl 20) e Mons Piton (Rukl 32)

Falha com 100 km com apenas 240-300 mas aparenta ter 2.5 km quando iluminada pel oSol nascente.

Rupes Recta (Rukl 27)
Rupes Recta (Rukl 27)

Pátio 66 - Cinco paisagens lunares

2002.09.18
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
21:30-22:30 UTC
Magnitude ~4, Antoniadi IV (instável). Neblina e muitas nuvens
Meade ETX90 90mm f/13.9 (~1250mm) + Kasai orto 25mm (50x 52') + Canon G1 + adaptador

Mais cinco imagens com o ETX90 "unplugged".

Cratera com 110 km com um complexo de canais e picos no seu interior (não observáveis na foto).
O Mare Humorum tem um diâmetro de 380 km.

Gassendi (Rukl 6)
Gassendi (Rukl 6)

Vale sinuoso com alguma semelhança com um rio, é o maior da Lua com 160 km de extensão. Começa na cratera Herodotus (35 km). A cratera Aristarco tem apenas 40 km e é umas das mais proeminentes da Lua - julga-se que tenha apenas 450 milhões de anos.

Aristarchus (rukl 18) e Vallis Schroteri(Rukl 19)
Aristarchus (rukl 18) e Vallis Schroteri(Rukl 19)

Tem um diâmetro de 260 km. Na parte norte do Mare Imbriu

Sinus Iridum(Rukl 5)
Sinus Iridum(Rukl 5)

Cratera extraordinariamente alongada (171x71 km).

Schiller (Rukl 47)
Schiller (Rukl 47)

Uma das mais conhecidas crateras com bastante raios de "ejecta"

Copernicus (Rukl 7)
Copernicus (Rukl 7)

Sra. do Monte V - 2 ocasos

2002.09.19
Campos do Lis e Sra. do Monte (Leiria)
Canon Powershot G1

Duas imagens que andavam perdidas.

A tradicional árvore num fundo crepuscular
A tradicional árvore num fundo crepuscular
O Sol e as nuvens de vez em quando até colaboram...
O Sol e as nuvens de vez em quando até colaboram...

Pátio 67 - Reiner Gamma e Wargentin

2002.09.19
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
23:30-00:30++ UTC
Magnitude ~3, Antoniadi IV (instável). Neblina e muitas nuvens
Meade ETX90 90mm f/13.9 (~1250mm) + Kasai orto 25mm (50x 52') + Canon G1 + adaptador

Mais duas imagens com o ETX90 "unplugged".

Formação única a Oeste da cratera proeminente Reiner . É constituída por material muito reflectivo, sem qualquer relevo.

Reiner Gamma (Rukl 43)
Reiner Gamma (Rukl 43)

Rara cratera em que o chão é mais alto que as extremidades da cratera. Com algum cuidado consegue-se observar que tal acontece. É a maior do género com 84 km.

Wargentin (Rukl 40
Wargentin (Rukl 40)

Pátio 68 - Mare Crisium

2002.09.21
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
23:00-00:30++ UTC
Magnitude ~3, Antoniadi IV (instável). Neblina e muitas nuvens
Meade ETX90 90mm f/13.9 (~1250mm) + Kasai orto 25mm (50x 52') + Canon G1 + adaptador

Formação circular com 570 km de diâmetro, que foi uma zona de impacto remoto inundada por lava. Também na extremidade está a cratera Neper com pico central, e o Mare Smythii um bocado mais abaixo, seguindo todo o bordo até ao fim da imagem.

Mare Crisium(Rukl 50)
Mare Crisium(Rukl 50)

Pátio 69 - Proclus e Messier + Messier A

2002.09.22
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
23:00-00:30++ UTC
Magnitude ~3, Antoniadi IV (instável). Neblina e muitas nuvens
Meade ETX90 90mm f/13.9 (~1250mm) + Kasai orto 25mm (50x 52') + Canon G1 + adaptador

A Proclus não é uma cratera muito grande, mas é bastante proeminente e tem uma forma de polígono, tendo ainda um sistema de raios de ejecta bastante brilhantes assimétricos. Este pequeno par de crateras que estão bem destacados no Mare Fecunditatis, tem um rasto semelhante ao de um cometa. A mais próxima do raios (esquerda) é dupla e tem 13x11km, a mais afastada é oval
e mede 9x11km devido ao um impacto oblíquo.
Notar a grande diferença devido à sombra no relevo em relação ao dia anterior

Proclus (Rukl 13) e Messier + Messier A (Rukl 42)
Proclus (Rukl 13) e Messier + Messier A (Rukl 42)

Outeiros - Vénus

2002.09.26
Outeiros (Leiria)
18:30-19:00 UTC
Céu nublado
Takahashi FC-60 60mm f/8.33 (500mm), Televue Radian 14mm (36x 101'), Barlow Ultima 2x
Canon Powershot G1

Esta semana, Vénus vai brilhar com uma magnitude de -4.6 ao apresentar a maior área iluminada com um máximo de 321 segundos de arco quadrados. Embora esta aparição seja bastante desfavorável (muito baixa), aqui fica registado 1 das 5 imagens obtidas no período de 1 minuto (qual delas a pior...).

Venus em 26 Setembro 2002 18:52
Venus em 26 Setembro 2002 18:52 UTC
Magnitude: -4.6, Iluminação: 25.2%, diâmetro 39.97" , altitude: 6° 12' 37",
distância: 0.4172730 UA (62 milhões km)

Pátio 70 - Montes Apenninus, Aristoteles, Clavius

2002.09.26
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
23:00-00:15++ UTC
Magnitude ~3, Antoniadi IV (instável). Neblina e muitas nuvens
Meade ETX90 90mm f/13.9 (~1250mm) + Kasai orto 25mm (50x 52') + Canon G1 + adaptador

Parte Norte da maior extensão montanhosa da Lua com 600 kms e picos com mais de 5000 metros .
A Apollo 15 alunou num local bem complicado entre os montes e perto da Rima Hadley que é visível com maior abertura. A Aristoteles tem 87 km de diâmetro com as paredes em terraço. Faz um belo par com a udoxus mais abaixo.

Montes Apenninus (Rukl 34), Aristoteles (Rukl 8) e Apollo 15
Montes Apenninus (Rukl 34), Aristoteles (Rukl 8) e Apollo 15

A Clavius é uma das maiores crateras com parede tendo 225 km de diâmetro. Tem um curiosa sequência decrescente de crateras, fazendo um semi-círculo e um maciço montanhoso.
A Tycho talvez seja uma das mais conhecidas, pois é a mais proeminente da Lua Cheia. Estima-se que tenha apenas 100 milhões de anos, sendo portanto uma das mais recentes. Os raios de ejecta estendem-se mais de 1500 km

Clavius (Rukl 1) Tycho (Rukl 10,11)
Clavius (Rukl 1) Tycho (Rukl 10,11)

Pátio 71 - Clavius, Tycho, Ptolemaeus, Alphonsus

2002.09.27
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
23:00-02:00++ UTC
Magnitude ~3, Antoniadi IV (instável). Neblina e muitas nuvens. Lua com halo
Meade ETX90 90mm f/13.9 (~1250mm) + Kasai orto 25mm (50x 52') + Canon G1 + adaptador

Voltei a fotografar a mesma área da Tycho e Clavius, para ver as diferenças com o dia anterior, e experimentei duplicar a magnificação da Projecção afocal usando uma Barlow 2x (as duas últimas imagens) - que dão uma resolução de 3 pixels por segundo de arco.

Clavius (Rukl 1) Tycho (Rukl 10,11)
Clavius (Rukl 1) Tycho (Rukl 10,11)
24 horas depois as sombras evidenciam mais algumas das crateras

Esta imagem aproxima-se muito do detalhe visual observado. Já se começa a discernir alguma textura da superfície da Clavius e muitas "craterlets".

Clavius (Rukl 1) Tycho (Rukl 10,11)
Clavius (Rukl 1) Tycho (Rukl 10,11)

A Ptolomeu tem 153 km, e tem muitos buracos e depressões. A Alphonsus foi local de crash da sonda americana Ranger 9,
reparar também nas áreas mais escuras no seu interior. A Thebit é uma cratera tripla com crateras argoladas umas nas outras.
Acima da Herschel (41 km) está um jogo de sombras que se assemelha a uma ave de rapina a pairar...

Ptolemaeus (Rukl 4), Alphonsus, Thebit, Herschel
Ptolemaeus (Rukl 4), Alphonsus, Thebit, Herschel

Pátio 72 - Conjunção Lua-Saturno

2002.09.28
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
23:00-00:10 UTC
Céu muito nublado
Takahashi FC-60 60mm f/8.33, Televue Plossl 32mm (16x 193')

Esta conjunção não era muito próxima, com uma distância angular não inferior a 2° 45'. Visualmente, e a 16x mal se consegue resolver os anéis de Saturno (no canto inferior direito). Para ficarem ambos no "boneco", Saturno ficou reduzido na foto a área alongada de luz.

Conjunção da Lua com Saturno em 29-Setembro-2002 00:03 UTC
Conjunção da Lua com Saturno em 2002-09-29 00:03 UTC

Pátio 73 - Saturno

2002.10.05
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
00:00-03:30 UTC
Magnitude ~4, Antoniadi IV (instável. Neblina e muitas nuvens
Meade ETX90 90mm f/13.9 (~1250mm) + Kasai orto 25mm (50x 52') + Canon G1 + adaptador
Takahashi FC-60 60mm f/8.33 (500mm)
Televue Panoptic 19mm (26x,2º35'), Nagler type6 9mm (56x, 1º29'), Filtro Astronomik UHC

Hoje de madrugada, fiz uma longa sessão a observar Saturno, até montei os três telescópios - o Bright200, o Tak60 e o ETX90 - para uma longa comparação. Faz já algum tempo que não observava com atenção Saturno, mas apesar das péssimas condições para observação planetária, existiram uns raros momentos de estabilidade que fizeram valer a espera.

Coloquei o Tak60 e o ETX90 com magnificações e campos aparentes comparáveis, 167x e 178x, respectivamente, e estive demoradamente a compará-los em Saturno. O detalhe era quase igual - divisão de Cassini, diferenciação no planeta e anéis - tendo o ETX uma imagem mais brilhante, dando uma percepção mais imediata dos detalhes - este pequeno Tak cada vez me surpreende mais. Em ambos, as vistas tinham momentos de excelência, sem apresentar quebra notória devido à magnificação.
Também em ambos se podia ver pelo menos dois satélites - Titan e Rhea - que estavm em linha com uma estrela de magnitude 9.4, a menos de 4 minutos de arco do planeta (uma conjunçãozita para não variar).
Três imagens empilhadas do planeta Saturno. Escusado será dizer que "ao vivo" estava bem melhor. A anedótica velocidade de 0.01 fps, diminui bastante a probabilidade de apanhar fotogramas focadas. Com abertura tão pequena, o uso de webcams é essencial. Mas abaixo fica a melhor do momento com afocal.

Saturno em 28-Setembro-2002 01:48-02:00 UTC
Saturno em 2002-09-28 01:48-02:00 UTC
Três imagens registadas, alinhadas e sobrepostas pelo Registax
As imagens foram de 1/4s f/2.5 zoom 3x (~100mm) ISO 50
O satélite violeta no topo é o meu "hotpixel" de estimação da Canon G1

Pátio 74 - Duplo Enxame de Perseu e Plêiades

2002.10.10
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
22:00-11:40 UTC
Magnitude ~4.5, Antoniadi III (instável). Neblina e nuvens
Takahashi FC-60 60mm f/8.33 (500mm)
Kasai Orto 25mm (20x 120')+Canon G1+adaptador
Televue Panoptic 19mm (26x,2º35'), Nagler type6 9mm (56x, 1º29') Filtro Astronomik UHC

Estes dois últimos dias, têm oferecido algumas inesperadas abertas, tendo numa delas uma transparência surpreendente (dia 9), na qual foi possível ver até indícios da Via Láctea - coisa rara aqui no pátio.
Aproveitei para observar pela primeira vez com o Taka, diversos objectos em Andrómeda, Cassiopeia, Dragão e Perseu, tirando pelo caminho as duas imagens abaixo (não-guiadas).

Duplo enxame de Perseu (NGC 869 e NGC 884)
Duplo enxame de Perseu (NGC 869 e NGC 884)
2x 4 seg f/2.0 zoom 1x (~34mm) ISO 400
Takfc60+orto25+G1
Campo real 1 ° 20' e magnitude 11
Plêiades (Messier 45)
Plêiades (Messier 45)
Foto única com 2 seg f/2.0 zoom 1x (~34mm) ISO 400
Takfc60+orto25+G1
Campo real 1 ° 23' e magnitude 10.5

Pátio 75 - A Lua com 9 dias (75.4%)

2002.10.15
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
21:50-22:15 UTC
Magnitude ~3, Antoniadi III (instável). Nuvens
Meade ETX90 90mm f/13.9 (~1250mm) + Kasai orto 25mm (50x 52') + Canon G1 + adaptador

A Lua em 15 Out 2002 21:57 UTC
A Lua em 2002-10-15 21:57 UTC
Altitude: 31° 08' 05"
Distância: 399066.4 km
Magnitude: -11.1
Iluminação: 75.4%
Diâmetro: 1812.03"
A Plato (Rukl 3), Montes Alpes (Rukl 33), Vallis Alpes (Rukl 20) e Mons Piton (Rukl 32)
A Plato (Rukl 3), Montes Alpes (Rukl 33), Vallis Alpes (Rukl 20), Mons Piton (Rukl 32)
A Plato tem um diâmetro de 101 km e fundo escuro
Os Vallis Alpes têm 180 km e cortam a meio os Montes Alpes que são uma cadeia de montanhas lunares típica tendo o Mons Blanc como pico mais alto (3600 m)
Copernicus (Rukl 7)
Copernicus (Rukl 7)
Uma das mais conhecidas crateras com bastante raios de "ejecta"
Clavius (Rukl 1) Tycho (Rukl 10,11)
Clavius (Rukl 1) Tycho (Rukl 10,11)
Esta imagem aproxima-se muito do detalhe visual observado. Já se começa a discernir alguma textura da superfície da Clavius e muitas "craterlets"

Pátio 76 - A Lua com 10 dias (83.0%)

2002.10.16
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
21:40-22:30 UTC
Magnitude ~3, Antoniadi IV (instável). Muito nublado.
Meade ETX90 90mm f/13.9 (~1250mm) + Kasai orto 25mm (50x 52') + Canon G1 + adaptador

A Lua em 16 Out 2002 21:29
A Lua em 2002-10-16 21:29 UTC
Altitude: 33° 34' 11"
Distância: 402125.2 km
Magnitude: -11.4
Iluminação: 83.0%
Diâmetro: 1799.13"

Pátio 77 - A Lua com 12 dias (95,0%)

2002.10.18
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
21:40-22:30 UTC
Magnitude ~3, Antoniadi IV (instável). Nublado
Meade ETX90 90mm f/13.9 (~1250mm) + Kasai orto 25mm (50x 52') + Canon G1 + adaptador

A Lua em 19 Out 2002 0:04 UTC
A Lua em 2002-10-18 23:04 UTC
Altitude: 45° 21' 27"
Distância: 405822.5 km
Magnitude: -12.1
Iluminação: 95.0%
Diâmetro: 1786.95"
Aristarchus (rukl 18) e Vallis Schroteri(Rukl 19)
Aristarchus (rukl 18) e Vallis Schroteri(Rukl 19)

Pátio 78 - A Lua com 14 dias (99,8%)

2002.10.20
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
23:10-23:40 UTC
Magnitude ~3, Antoniadi IV (instável). Nublado
Meade ETX90 90mm f/13.9 (~1250mm) + Kasai orto 25mm (50x 52') + Canon G1 + adaptador

A Lua em 20 Out 2002 23:20 UTC
A Lua em 2002-10-20 23:20 UTC
Altitude: 54° 36' 05"
Distância: 406154.9 km
Magnitude: -12.6
Iluminação: 99.8%
Diâmetro: 1788.31"

Pátio 79 - A Lua com 15 dias (97,5%)

2002.10.22
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
23:10-23:50 UTC
Magnitude ~3, Antoniadi III (instável), nublado, 17°
Meade ETX90 90mm f/13.9 (~1250mm) + Kasai orto 25mm (50x 52') + Canon G1 + adaptador

A Lua em 22 Out 2002 23:30 TU
A Lua em 2002-10-22 23:30 UTC
Altitude: 53° 36' 02"
Distância: 403870.6 km
Magnitude: -12.6
Iluminação: 97.5%
Diâmetro: 1798.28"
Mare Crisium(Rukl 50), Proclus (Rukl 13) , Messier + Messier A (Rukl 42), Langrenus
Mare Crisium(Rukl 50), Proclus (Rukl 13), Messier, Messier A (Rukl 42), Langrenus

Pátio 80 - A Lua com 16 dias (93,7%)

2002.10.23
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
23:10-23:40 UTC
Magnitude ~3, Antoniadi III (instável), nublado, 14.7°
Meade ETX90 90mm f/13.9 (~1250mm) + Kasai orto 25mm (50x 52') + Canon G1 + adaptador

A Lua em 23 Out 2002 23:31 UTC
A Lua em 2002-10-23 23:30 UTC
Altitude: 48° 35' 03"
Distância: 401794.7 Km
Magnitude: -12.0
Iluminação: 93.7%
Diâmetro: 1806.28"
Mare Crisium(Rukl 50), Proclus (Rukl 13) , Macrobius
Mare Crisium(Rukl 50), Proclus (Rukl 13) , Macrobius
Watt, Steinheil, Janssen, Vallis Rheita
Watt, Steinheil, Janssen, Vallis Rheita

Pátio 81 - A Lua com 19 dias (72,7%)

2002.10.26
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
22:00-3:30 UTC
Magnitude ~4, Antoniadi II (estável), nuvens altas 14.3°
Meade ETX90 90mm f/13.9 (~1250mm) + Kasai orto 25mm (50x 52') + Canon G1 + adaptador
Dobson Brightstar Spacewalker 200mm f/6

A Lua em 26 Out 2002 23:38 UTC
A Lua em 2002-10-26 23:38 UTC
Altitude: 25° 18' 18"
Distância: 391818.8 km
Magnitude: -11.0
Iluminação: 72.7%
Diâmetro: 1844.14"
Área da Tycho
Área da Tycho
Licetus 75km, Heraclitus 90km, Oriontius 122km, Lilius 61km, Maginus 163km, Zach 71km,Deluc 47km, Tycho 85km , Clavius 225km, Moretus 114km, Cysatus 49km, Gruemberger 94k , Longomontanus 145km, Biancanus 105km
Àrea da Walter
Àrea da Walter
Playfair 48km, Goodacre 46km, Apianus 63km, Gemma Frisius 88km, Poisson 42km, Krusenstern 47km, Maurolycus 114km,Aliacensis 80km, Werner 70km, Kaiser A 21x14km, Kaiser 52km, Nonius 70km, Walter 132x140km, Faraday 70km, Fernelius 65km, Stotler 126km , Licetus 75km, Miller 75km, Heraclitus 90km, Nasireddin 52km, Lexell 63km, Huggins 65km, Hell 33km , Oriontius 122km, Ball 41km

Saturno

Saturno em 26-Outubro-2002 23:49 UTC
Saturno em 2002-10-26 23:49 UTC
Uma foto, Dobson
Brightstar Spacewalker 200mm f/6+Radian 14mm (86x40') foto tirada com 1/40s f/2.0 zoom 1x (~34mm) ISO 50

Pátio 82 - A Lua com 20 dias (62,8%)

2002.10.28
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
00:20 0:30 UTC
Magnitude ~3, Antoniadi IV ( muito instável), nuvens altas, 14.9°
Meade ETX90 90mm f/13.9 (~1250mm) + Kasai orto 25mm (50x 52') + Canon G1 + adaptador

A Lua em 28 Out 2002 00:26
A Lua em 2002-10-28 00:26 UTC
Altitude: 24° 13' 48"
Distância: 386772.3 km
Magnitude: -10.6
Iluminação: 62.8%
Diâmetro: 1866.91"

Pátio 83 - A Lua com 21 dias (52,1%)

2002.10.29
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
00:45 1:10 UTC
Magnitude ~3, Antoniadi IV muito instável), nuvens altas, 17.5°
Meade ETX90 90mm f/13.9 (~1250mm) + Kasai orto 25mm (50x 52') + Canon G1 + adaptador

A Lua em 29 Out 2002 01:08 UTC
A Lua em 2002-10-29 01:08 UTC
Altitude: 20° 48' 58"
Distância: 381431.7 km
Magnitude: -10.2
Iluminação: 52.1%
Diâmetro: 1891"

Pátio 84 - A Lua com 22 dias (41,1%)

2002.10.30
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
01:20 1:30 UTC
Magnitude ~4, Antoniadi III (instável), nuvens altas, 15.0°
Meade ETX90 90mm f/13.9 (~1250mm) + Kasai orto 25mm (50x 52') + Canon G1 + adaptador

A Lua em 30 Out 2002 01:19 UTC
A Lua em 2002-10-30 01:19 UTC
Altitude: 10° 54'
Distância: 375936 km
Magnitude: -10.2
Iluminação: 41.1%
Diâmetro: 1914"

Pátio 85 - A Lua com 23 dias (29,8%)

2002.10.31
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
02:20 2:40 UTC
Magnitude ~4, Antoniadi III (instável), nuvens altas, 15.0°
Meade ETX90 90mm f/13.9 (~1250mm) + Kasai orto 25mm (50x 52') + Canon G1 + adaptador

A Lua em 31 Out 2002 02:39 UTC
A Lua em 31 Out 2002 02:39 UTC
Altitude: 12° 52'
Distância: 370252 km
Magnitude: -9.1
Iluminação: 29.8%
Diâmetro: 1994"

S.Pedro de Moel IV - Pôr do Sol

2002.11.03
S.Pedro de Moel
Canon G1

pôr do Sol em 10-06-2002 entre 19:48-20:06
pôr do Sol em 2002-10-06 entre 19:48-20:06
Sequência fotografada nos 20 minutos antes do Sol se pôr.
Carregar na imagem para animação

Pátio 86 - Primeira luz fotográfica com a Nikon FM2

2002.11.12
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)e Leiria
Magnitude ~4, Antoniadi II (++-estável), nublado, vento, 12.0°
Nikon FM2n montada em tripé, Nikkors 50mm f/1.4 e 35-80mm f/4-5.6

Estas imagens fazem parte dos primeiros rolos tirados com a Nikon FM2. O filme utilizado foi ISO 400 (Kodak e Fuji). Os negativos foram depois digitalizados num HP scanjet 5370C a 1200dpi (mas está um bocado embaciado por falta de uso).
Esta câmara é sólida e um prazer de utilizar e olhar.

Tem quase todos os atributos para utilização em imagem astronómica - é leve (embora seja de construção metálica), totalmente mecânica e manual, não usa pilha, excepto para o fotómetro que é desligado nas longas exposições (bulb). Não tem mirror-lock mas um pre-fire quando se usa o temporizador e até se pode trocar o prisma para montar alguns acessórios de magnificação para ajudar na focagem.
Sendo uma das poucas máquinas que podem ser utilizadas com fiabilidade na Antártida, diz alguma coisa sobre a sua raça. Muito boa para aprender realmente a fotografar (diurna).

Nikon FM2n
Nikon FM2n
A Nikon FM2n é uma câmara completamente mecânica, e de utilização completamente manual, não dependendo de baterias excepto para o fotómetro.
Pesa 540 gramas sem objectiva
Tem uma construção impecável e um "look" simplesmente clássico.
Nikon FM2n
Com o cabo disparador essencial para evitar qualquer vibração.
Montada num tripé que neste caso é o Manfrotto 055PROB e cabeça 141RC fica prontinha para apanhar algumas Leónidas...
Nikon FM2n
No foco primário do Takahashi FC-60
Nikon FM2n
Nikon FM2n
Alguém muito curioso (Pai) estava a ver o que diabo a câmara estava a fotografar.
A objectiva de 50mm f1/8 (emprestada) é suficientemente brilhante para conseguir ver estrelas perto da magnitude limite, o que é uma grande ajuda para orientar sem dificuldade a câmara.
O Castelo de Leiria e a Lua em 9 de Novembro 2002
O Castelo de Leiria e a Lua em 9 de Novembro 2002
O altaneiro Castelo em conjunção com a Lua
Dar uma espreitadela em Saturno no Taka
Dar uma espreitadela em Saturno no Taka
Zona entre Cassiopeia e Perseu - duplo enxame
Zona entre Cassiopeia e Perseu - duplo enxame
30 seg 50mm f/2
Orion do pátio dos vizinhos
Orion do pátio dos vizinhos
30 seg 50mm f/4
Poluição luminosa qb. Esta zona está praticamente na direcção do centro da cidade de Leiria, mas ainda apanha em bocadito da nebulosa

Pátio 87 - A Lua com 11 dias (90.9%)

2002.11.16
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
20:30-20:50 UTC
Magnitude ~4, Antoniadi III (instável), nublado. 10.0°
Meade ETX90 90mm f/13.9 (~1250mm) + Kasai orto 25mm (50x 52') + Canon G1 + adaptador

A Lua em 16 Novembro 2002 21:46 UTC
A Lua em 2002-11-16 21:46 UTC
Altitude: 49° 26'
Distância: 405729 km (apogeu foi às 11:30 +76 km)
Magnitude: -11.8
Iluminação: 90.9%
Diâmetro: 1789"

Pátio 88 - Eclipse Penumbral da Lua

2002.11.20
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
23:30-02:00+ UTC
Muito nublado (chuva), 9.0°
Takahashi FC-60 60mm f/8.33 (500mm), Radian 14mm (36x 101'), barlow 2.4x (86x) e Canon G1

Este eclipse foi visível no telescópio e também com vista desarmada, ao contrário do eclipse de 24 de Junho, que foi vagamente detectável nas imagens.
Este eclipse ocorreu entre as 23:32 UTC (Nov 19) e as 04:01 UTC (Nov 20), e teve o seu máximo ás 01:47 UTC do dia 20 com uma magnitude de 0.8862, passando a apenas 6.6 minutos de arco da umbra.
Mais informações aqui.

A Lua em 20 Novembro 2002 01:50 UTC
A Lua em 2002-11-20 01:50 UTC
Altitude: 61° 21'
Distância: 400996 km
Magnitude: -12.7
Iluminação: 100 %
Diâmetro: 1813"

Pátio 89 - A Lua com 15 dias (99.1%)

2002.11.21
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
01:30-02:00 UTC
Magnitude ~3, Antoniadi II (estável), céu limpo, 16.0°
Takahashi FC-60 60mm f/8.33 (500mm), Radian 14mm (36x 101'), barlow 2.4x (86x) e Canon G1

A Lua em 21 Novembro 2002 01:37 UTC
A Lua em 2002-11-21 01:37 UTC
Altitude: 71° 09'
Distância: 398463 km
Magnitude: -12.4
Iluminação: 99.1 %
Diâmetro: 1827"

Pátio 90 - A Lua com 16 dias (96.3%)

2002.11.22
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
00:30-01:00 UTC
Magnitude ~3, Antoniadi II (estável), Céu pouco nublado, 13.0°
Takahashi FC-60 60mm+ExtenderQ f/13.3 (800mm), Televue Radian 14mm (57x 65') e Canon G1

A Lua em 22 Novembro 2002 00:15 UTC
A Lua em 2002-11-22 00:15 UTC
Altitude: 63° 55'
Distância: 389989 km
Magnitude: -12.2
Iluminação: 96.3 %
Diâmetro: 1840"

Pátio 91 - A Lua com 17 dias (91.2%)

2002.11.23
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
2:20-02:40 UTC
Magnitude ~3, Antoniadi II (estável)
Céu pouco nublado. 11.0°
Takahashi FC-60 60mm+ExtenderQ f/13.3 (800mm), Televue Radian 14mm (57x 65') e Canon G1

A Lua em 23 Novembro 2002 02:33 UTC
A Lua em 2002-11-23 02:27 UTC
Altitude: 75° 15'
Distância: 386059 km
Magnitude: -11.8
Iluminação: 91.2 %
Diâmetro: 1864"

Pátio 92 - A Lua com 19 dias (77.1%)

2002.11.25
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
0:00-01:00 UTC
Magnitude ~3, Antoniadi II (estável), céu pouco nublado. 6.5°
Takahashi FC-60 60mm+ExtenderQ f/13.3 (800mm), Televue Radian 14mm (57x 65') e Canon G1

A Lua em 25 Novembro 2002 00:33 UTC
A Lua em 2002-11-25 01:02 UTC
Altitude: 42° 43'
Distância: 380856 km
Magnitude: -11.8
Iluminação: 76.46 %
Diâmetro: 1880"

Pátio 93 - A Lua com 22 dias (45.4%)

2002.11.28
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
0:00-01:00 UTC
Magnitude ~3, Antoniadi II (estável), céu pouco nublado. 6.5°
Takahashi FC-60 60mm+ExtenderQ f/13.3 (800mm), Televue Radian 14mm (57x 65') e Canon G1

A Lua em 28 Novembro 2002 01:55 UTC
A Lua em 28 Novembro 2002 01:55 UTC
Altitude: 16° 35'
Distância: 372930 km
Magnitude: -9.9
Iluminação: 45.4 %
Diâmetro: 1933"

Pátio 94 - A Lua com 24 dias (21.7%)

2002.11.30
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
05:00-05:30 UTC
Magnitude ~4, Antoniadi III (instável), céu pouco nublado, 13.5°
Takahashi FC-60 60mm+ExtenderQ f/13.3 (800mm), Televue Radian 14mm (57x 65') e Canon G1

A Lua em 30 Novembro 2002 05:21 UTC
A Lua em 2002-11-30 05:21 UTC
Altitude: 27° 06'
Distância: 362463 km
Magnitude: -8.6
Iluminação: 21.7 %
Diâmetro: 1979"

Capuchos II - Crescente Dourado

2002.12.05
Capuchos - Leiria
17:00-18:00 UTC
Pouco nublado e pouca turbulência, 10.0°
Takahashi FC-60 60mm f/8.33 (500mm)
Televue Radian 14mm (36x 101'), Barlow Ultima 2.4x (86x, 42'), plossl Televue 32mm (16x 192')
Canon Powershot G1

Depois do último eclipse solar do ano, o qual não pude observar (nem pela Net), não podia deixar escapar aquele que foi um dos mais espectaculares "Pôr-de-Lua" que já tive ocasião de assistir. Também foi o Crescente mais "fino" que observei e fotografei até à data, estando a Lua, somente iluminada em 2.8%.

Crescente Dourado
O cenário ás 17:42 UTC
Um crescente tão fino é um bocado difícil de encontrar
A Lua estava a pouco mais de 4 graus de altitude
A Lua em 5 Dezembro 2002 17:48 TU
A Lua em 5 Dezembro 2002 17:48 UTC
Altitude: 3° 22'
Distância: 370862 km
Magnitude: -5.9
Iluminação: 2.8 %
Diâmetro: 1979"
A Lua a 2° 14'
A Lua a 2° 14'
Já se nota um pouco da luz da Terra reflectida na face não iluminada
A Lua a 1 ° 25'
A Lua a 1 ° 25'
A Lua neste momento estava a "arder", assemelhando-se a um eclipse solar na altura do seu ocaso.

1º ENIA - Mira - Encontro Nacional Informal/Inverno de Astronomia

2002.12.08
Mira
14:30-6:15 UTC
Pouco nublado. temperatura mínima -4.0° (06:00 UTC)

Site oficial em http://eee3.netpower.pt/enia/enia.htm

Mais um encontro de Astronomia em Portugal. Estes encontros parecem cogumelos a surgir por todos os cantos do país, mas este teve algumas particularidades interessantes, que foram a meu ver bastante atractivas. Não haver Lua e ser no praticamente no Inverno - é preciso coragem.

Depois de a seguir ao almoço, ter abalado de Leiria, e ter feito cerca de 1 hora e picos de viagem, lá cheguei ao Hotel Quinta Lagôa, que iria albergar os participantes e visitantes deste encontro.

O local foi bem escolhido, o hotel proporcionou um local ideal para a reunião, acomodação e restauração de todos os participantes. A sua proximidade do local das observações, foi certamente um bónus para quem ficou por lá alojado (eu não fiquei devido a Leiria ficar relativamente próxima).

Durante a tarde, houve uma exposição de alguns dos instrumentos que seguiriam para o local de observações, tendos estes, aberturas que variavam desde o binóculo de 56mm até ao dob 450mm, dando portanto oportunidade de os puder observar (e não observar através deles), e fotografar com mais atenção os seus pormenores .

1º ENIA
Vários dos telescópios que marcaram presença
1º ENIA
Guilherme de Almeida, Paulo Guedes e Jorge Almeida
entretidos a colimar um mak

Também houve alguma observação solar, com o meu takito e um Meade ETX-60, durante o pouco Sol que ainda restava (o Sol põe-se pouco após as 17 horas nesta altura do ano, e o hotel estava rodeado de árvores).

1º ENIA
Os pequenos refractores de serviço ao Sol

Depois de muitas e interessantes conversas, seguiu-se um excelente jantar muito bem servido e confeccionado (5*), onde as conversas continuaram mas à mesa (um dos locais favoritos dos portugueses).

Já todos bem aconchegados, dirigimo-no para o local de observação, que era uma pequena pista de aeromodelismo ficava situada virtualmente no meio de nada.

1º ENIA
Aproveitou-se também para afinar o calendário de eventos para 2003

À chegada, era imediatamente perceptível sem praticamente qualquer adaptação ao escuro a nossa Galáxia - Via Láctea - que se estendia por Cisne, passando por Cassiopeia e por Perseu, estando portanto, no mínimo uma magnitude limite visual na ordem dos 6 (sendo a magnitude limite no meu dob de 20cm cerca de 13.5 segundo o Rui).

Infelizmente, 1 ou 2 horas depois, começaram a surgir umas nuvens de sudoeste que taparam parcialmente o Céu por algumas horas, deixando no entanto alguns buracos (algo turbulentos na minha opinião) em se aproveitava para fazer comparações entre os diversos instrumentos, na observação de planetas (Júpiter e Saturno).
Limpando mais por volta das 4 da manhã - um céu muito bom tendo em conta que estamos praticamente no Inverno - A humidade essa, acompanhou-nos durante a noite toda, tendo que usar o kendrick "dew-remover" quase no máximo. De qualquer modo, pareceu-me ser sem dúvida um local "topo de gama", com 360 graus de horizonte desobstruído, sem qualquer poluição luminosa directa, e com apenas umas longínquas, mas facilmente ignoráveis, cúpulas de luz (Aveiro a Norte e Mira a Este).

Um dos aspectos em que este encontro foi especialmente rico, foi a quantidade e qualidade dos instrumentos que lá marcaram presença, desde refractores de 60mm (Takito!) a gargantuais reflectores de 45 e 50 cms (Merak 18", Obsession 18", e um 20" numa estrutura de alumínio (que não retive o nome)), todos eles montados num também bastante sortida coleção de montagens (Altazimutais, equatoriais, dobsonianos, tripés etc.).

A temperatura chegou aos 4 graus negativos por volta das seis da manhã, isto segundo o meu porta-chaves suíço, colocado a metro e meio do solo que se tivesse um higrómetro (mede a humidade relativa) de certeza que rebentava a escala. Também tive uma experiência inédita - a de descongelar o meu dob 20cm e o Atlas Karkoschka, que estavam cobertos de gelo (na era geada, era gelo mesmo).

Algumas imagens do local de observação e instrumentos

1º ENIA
1º ENIA
1º ENIA
1º ENIA
1º ENIA
1º ENIA
1º ENIA

Por muito que o se planeie alguma sessão, simplesmente não dá mesmo para fazer uma observação normal neste encontros, pois são tantos telescópios, tanta gente e tanta conversa, que nem vale a pena sequer tentar. Mas, no entanto, para além dos planetas (Vénus, Marte, Júpiter e Saturno), observei pela primeira vez no Takito as galáxias Messier 81 e Messier 82 (com bom detalhe para 6cm) e o globular Messier 3 (algumas estrelas resolvidas).

No final da noite, já nos faziam companhia os planetas Vénus e Marte que distavam pouco mais de grau e meio. Faziam um par muito contrastante, tendo vénus uma fase de 27% e diâmetro 40" e Marte sendo 10 vezes menor e bastante avermelhado.
Um dos melhores momentos desta (e qualquer outra) observação, foi aquela meia-hora que antecede o crepúsculo - uma calma serena muito gratificante - até me fez esquecer o frio que fazia.

Depois de arrumar as coisas (a maior parte delas congeladas), pus-me a caminho de Leiria (bem devagarinho) na companhia de Vénus e Marte. Mas após passar a ponte sobre o Mondego na Figueira da Foz, parei o carro e fiquei à espera na companhia de alguns pescadores para tirar a foto abaixo (não resisti:)).

1º ENIA
Nascer do Sol no Estuário do Mondego
As gaivotas a tomar o pequeno-almoço com o Sol
a nascer filtrado pela bruma.

Pátio 95 - Saturno a menos de 72 horas da oposição

2002.12.15
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
--23:00-01:00 UTC
Magnitude ~3, Antoniadi III (instável), céu geralmente limpo, nuvens altas, 8.0°
Takahashi FC-60 60mm f/8.33 (500mm), barlow Ultima 2.4x (1200mm) e webcam Toucam Pro

A noite esteve péssima para observação planetária, existindo quase de certeza nuvens altas (cirrus), que tornavam a imagem extremamente ondulante. No pequeno Taka, apenas se podia puxar até às 200x em Saturno e 130x em Júpiter.
Durante grande parte da sessão, a Lua tinha uma "corona" e um halo de 22º. Estes fenómenos são causado pela refracção em cristais de gelo dos quais são compostas as nuvens altas e frias (cirrus).
Também andei de olho nalguma geminídia atrasada, mas não tive sorte...

Saturno em 15-Dezembro-2002 00:57 UTC
Saturno em 2002-12-15 00:57 UTC
Tak FC-60 com Barlow e toucam pro (2.4x) (f/20) 1200 mm comprimento focal

Pátio 96 - Saturno a menos de 48 horas depois da oposição e halo lunar

2002.12.19
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
00:30-02:00 UTC
Magnitude ~3, Antoniadi II (instável), céu nublado com muitas abertas, nuvens altas, 15.0°
Takahashi FC-60 60mm f/8.33 (500mm), Barlow Ultima 2.4x (1200mm) ExtenderQ (1.65x) e webcam Toucam Pro. Canon G1

Saturno em 19-Dezembro-2002 01:44 UTC
Saturno em 2002-12-19 01:44 UTC
1ª e 2ª corona da Lua causado pelas nuvens.
"Setup" de webcam para registar Saturno
"Setup" de webcam para registar Saturno
O Tak FC-60 na Giro2 com uma toucam agarrada
O pontinho branco no meio da foto é Saturno
Saturno em 19-Dezembro-2002 01:35 UTC
Saturno em 2002-12-19 01:30 UTC
Takahashi FC-60 com extender Q (1.65x)+Barlow (2.4x) e toucam pro (f/33) 1980 mm
A Lua em 19 Dezembro 2002 00:42 UTC
A Lua em 2002-12-19 00:42 UTC
Altitude: 70° 32'
Distância: 394426 km
Magnitude: -12.5
Iluminação: 99.4 %
Diâmetro: 1846"

Pátio 97 - Saturno e a Nebulosa do Caranguejo

2002.12.29
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
--23:00-01:30 UTC
Magnitude ~4, Antoniadi II (estável), Nevoeiro e fumo de chaminés, 7.5°
Takahashi FC-60 60mm f/8.33, Barlow Ultima 2.4x (1200mm) ExtenderQ (1.65x), Toucam pro
Nagler VI 9mm, Nagler I 7mm, Radian 14mm, Panoptic 19mm

Saturno e a Nebulosa do Caranguejo

Esta sessão serviu essencialmente para apreciar a actual e rara conjunção de um planeta (Saturno) com um objecto de céu profundo (Messier 1 - Nebulosa do Caranguejo). Só no ano 2208 (yep), é que a haverá uma conjunção/sobreposição semelhante.

Como era esperado, o forte brilho do planeta (-0.4) interferiu bastante na observação da nebulosa, que apesar de ter uma área 44x maior, mas num entanto com um brilho de superfície 250000x inferior (S&T Jan-2003).
A magnitude limite a rondava os 4, o que pode ser fatal para um telescópio de 60mm no que diz respeito à observação de difusas, mas contudo, foi possível observar o raro conjunto em simultâneo, embora com grandes dificuldades na Messier 1, em que tive de deixar o olho adaptar-se escuro, tanto o que era possível com o brilho de Saturno.
O olho humano é realmente espantoso - consegue-se adaptar aos mais incríveis e díspares cenários de luz. È também um bom teste ao contraste e controlo de brilho em oculares e telescópios.

Como é óbvio, não consegui discernir nenhum detalhe na Messier 1, apenas marcava presença como uma leve nuvem de fumo. Saturno por outro lado, estava com detalhe excelente (como nas duas semanas que passaram), sendo possível observar destacada a divisão de Cassini e detalhe no globo com apenas 43x. Os satélites era os suspeitos do costume: Titan, Rhea, Dione e talvez uns piscos do Enceladus.

Saturno distava pouco mais de meio grau de Messier 1, e vai continuando a aproximar-se de Messier 1 à razão de 4'30" por dia (quase o comprimento de seis anéis). A seguir nas duas próximas semanas.

Saturno e Messier 1
Saturno e Messier 1
As posições de Saturno às 0 horas nos próxinos 20 dias. Skymap Pro 6.0

A Grande Mancha Vermelha de Júpiter

Nunca observei a Grande Mancha Vermelha (GMV) num instrumento tão pequeno, e nesta sessão, por sorte, a GMV iria transitar por volta das 0:15. Acompanhei Júpiter meia hora antes e meia hora depois do trânsito, período em que a GMV ficava por breves momentos bastante destacada (isto obviamente em termos relativos), tendo claramente aquela aparência de olho/nódulo de madeira.
Também era possível por vezes deslumbrar algum detalhe nos cinturões equatoriais e nos pólos. A estabilidade atmosférica não permitia grandes magnificações, mas no entanto o planeta estava bastante interessante.
Júpiter está a caminhar a passos largos para a sua oposição em 2 de Fevereiro do próximo ano, e espero ainda tentar observar mais vezes a GMV e trânsitos dos satélites.

Júpiter 29-Dezembro-2002 00:07 TU
Júpiter 2002-12-29 00:07 UTC
O sistema Joviano em quase toda a sua extensão
Júpiter bastante "queimado" de modo a poder capturar os satélites jovianos
1 foto com a Canon G1 + Radian 14mm
Júpiter 29-Dezembro-2002 00:32 UTC
Júpiter 2002-12-29 00:32 UTC
Nota-se ligeiramente o nódulo da GMV, que nesta altura estava no seu trânsito
Tak FC-60 com ExtQ (1.65x) e toucam pro (f/13.8) 825 mm comprimento focal
A imagem foi ampliada 2x

Castor

Esta é uma das minhas duplas favoritas, sendo uma verdadeira binária e muito próxima de nós, a apenas ~52 anos-luz.
Embora a sua separação actual de 3.3" não seja nem começo de desafio, é uma interessante e popular dupla quase igual de duas estrelas de espectro A (branco-azulada), sendo uma com 2.0 e outra com 2.8 de magnitude. Visualmente é espectacular, aparecem dois pequenos pontos (discos Airy) rodeados por uma anel de difração quase se tocando. Curiosamente acho a diferença de magnitude menos notória visualmente do que parece na foto abaixo.

Castor - alfa Geminorum
Castor - alfa Geminorum
O melhor fotograma de uma avi de 190
Tak FC-60 com ExtQ (1.65x) e toucam pro (f/13.80) 825 mm comprimento focal
A imagem foi ampliada 2x

Pátio 98 - Saturno e Júpiter

2002.12.30
Pátio (Leiria 39.75N 8.82W alt:60m)
10:30-00:30++ UTC
Magnitude ~4, Antoniadi III (instável), nevoeiro e fumo de chaminés, 9°
Takahashi FC-60 60mm f/8.33, Barlow Ultima 2.4x (1200mm) ExtenderQ (1.65x), Toucam pro

Saturno 30-Dezembro-2002 22:23 UTC
Saturno 2002-12-30 22:23 UTC
Tak FC-60 com Barlow (2.4x) e Toucam pro (f/20)
1200 mm comprimento focal
Júpiter 30-Dezembro-2002 22:26 UTC
Júpiter 2002-12-30 22:26 UTC
Takahashi FC-60 com Barlow (2.4x) e toucam pro (f/20) 1200 mm
Júpiter 30-Dezembro-2002 23:38 UTC
Júpiter 2002-12-30 23:38 UTC
Takahashi FC-60 com Barlow (1.8x) + ExtQ (1.65x) e toucam pro (f/25) 1485 mm
Júpiter 30-Dezembro-2002 23:17 UTC
Júpiter 2002-12-30 23:17 UTC
Takahashi FC-60 com barlow (2.4x) + ExtQ (1.65x) e toucam pro (f/33) 1980 mm