2018

Pátio 291 - Vénus e Lua Pátio 294 - Marte Periélico
Pátio 292 - Mercúrio e Lua Pátio 295 - Messier 22 à moda do Newton
Pátio 293 - Marte em oposição e amigos Pátio 296 - NGC 7009 à moda do Cassegrain
Eclipse Lunar Pátio 297 - Messier 17 à moda do Newton

Pátio 291 - Vénus e Lua

2018.04.17
Pátio (Leiria 39ºN 08º48'W alt:130m

 

Eclipse Lunar 20170211
Vénus e Lua 19:14 UTC
Canon 40D e Canon 70-200 a 200mm f/4
exp: 1x1/15seg. 800 ISO

Pátio 292 - Mercúrio e Lua

2018.07.14
Pátio (Leiria 39ºN 08º48'W alt:130m)

conjuncao_mercurio_lua_20180714_2052UT
Mercúrio e Lua 20:52 UTC
Canon 40D e Canon 70-200 a 200mm f/4
exp: 1x1/2seg. 400 ISO

Pátio 293 - Marte em oposição e amigos

2018.07.26
Pátio (Leiria 39ºN 08º48'W alt:130m)

Enquanto preparava o eclipse lunar, fiz algumas experiências a capturar imagens de planetas com o CN-212 e a Canon 40D. É muito pouco prático e trabalhoso usar uma DSLR, porque para imagens planetárias, seriam necessárias umas boas centenas de imagens para obter uma imagem decente, mas deu no entanto para verificar, que o CN-212 em modo Cassegrain, pareceu prometer boa qualidade e alta resolução.

Marte
Marte 2018-07-26 22:18 UTC
Takahashi CN-212 f/19.4 (4100 mm) e Canon 40D
exp: 19x1/15seg. 400 ISO
Saturno
Saturno 2018-07-26 21:09 UTC
Takahashi CN-212 f/19.4 (4100 mm) e Canon 40D
exp: 10x1/4seg. 400 ISO
Jupiter
Júpiter 2018-07-23 21:38 UTC
Takahashi CN-212 f/19.4 (4100 mm) e Canon 40D
exp: 14x1/8seg. 400 ISO
Coroa
Corona lunar 2018-07-26 23:24 UTC
Canon 40D e Canon 70-200 a 80mm f/4
exp: 1x1/30seg. 400 ISO

Esive também a vaguear pela a cidade de Leiria, à procura de locais com horizonte livre de fios, obstáculos e luzes. Está a ser cada vez mais complicado encontrar um horizonte sem qualquer coisa a estourvar...

Coroa
Raios anti-crepusculares 2018-07-26 19:54 UTC
Iphone

Eclipse Lunar

2018.07.27
Observatório Astronómico de Constância

Em Leiria, a nebulosidade estava muito incerta, pelo que decidi viajar até ao Observatório Astronómico em Constância, que se situa um pouco mais para sul e interior, e mais importante, depois da Serra de Aire, que suspeito funcionar como uma barreira natural das nuvens.

No observatório estava a decorrer uma bem concorrida sessão pública de observação deste evento (e também dos planetas), com a direção de Máximo Ferreira, a quem agradeço a cortesia de ter permitido acesso ao telhado da cúpula do telescópio, agradecendo também ao restante pessoal e visitantes pela companhia.

Eclipse Lunar 20190727
Observatório Astronómico de Constância
Eclipse Lunar 20190727
Equipamento

Eclipse lunar 20170729Estando a Lua muito próxima do seu apogeu (27 Jul 2018 5:42 a 406215.8 km), este eclipse estava destinado a ser o mais longo do século XXI, com a totalidade a durar 1h:46m de um total de 6h:16m na sua passagem pela a penumbra e umbra.
Como se pode verificar na simulação ao lado, a Lua passou muito próximo do centro da umbra (circunferência interior), resultando no eclipse mais escuro que tive ocasião de observar, fazendo uma estimativa do L entre 0 e 1 na escala de Danjon..
Tão escuro esteve o eclipse, que apenas consegui capturar a Lua usando exposições longas e apenas após o planeta Marte aparecer que estava cerca de 6 graus pelas "5 horas".
Numa ainda mais rara coincidência, Marte esteve em oposição apenas umas horas antes às 05h:07m. Dois em um!

eclipse_lunar_20180727_800
Diversas fases do eclipse
Imagens do eclipse capturadas com um Takahashi Sky90 e uma Canon 40D numa Takahashi P2Z
eclipse_lunar_20180727_2046
Lua durante o máximo do eclipse 20:46 UTC
exp: 5x1seg.
Eclipse Lunar 20190727
Lua eclipsada e Marte
Canon 40D e Canon 70-200 a 93mm f/4
exp: 1x2seg. 800 ISO
Eclipse Lunar 20190727
Lua eclipsada e Omicron Capricorni
Uma estrela dupla (física) brilhante
classe espectral A3Vn+A7V (branca/branca)
separadas em 21.9"
Tempos de Eclipse (Guide9):
  • Entrada na penumbra: 27 Jul 2018 17:14 UTC
  • Entrada na umbra: 27 Jul 2018 18:23 UTC
  • Começo da totalidade: 27 Jul 2018 19:29 UTC
  • Fim da totalidade: 27 Jul 2018 21:15 UTC
  • Saída da umbra: 27 Jul 2018 22:20 UTC
  • Saída da penumbra: 27 Jul 2018 23:30 UTC

Os próximos eclipses lunares visíveis em Leiria (e provavelmente no resto de Portugal continental) serão em:

Pátio 294 - Marte Periélico

2018.07.31
Pátio (Leiria 39ºN 08º48'W alt:130m)

A oposição e a maior proximidade da Terra, não costumam ser coincidentes. Esta efeméride, é a chamada apariçao periélica, significando que Marte está perto do seu periélio que será em 15 de Setembro (o ponto da órbita de menor distância ao Sol). Isto deve-se à excentricidade (0.09341233) da sua órbita, que o faz passar uns bons milhões de quilómetros mais para o interior do sistema solar, e por consequência, mais perto da Terra, cuja a órbita é quase circular.
A diferença entre o periélio (1.38133346 AU) e o afélio (1.66599116 AU) é cerca de 42 milhões de quilómetros, que é a diferença máxima que pode existir nas oposições.

Na imagem abaixo, estava somente a 0.38498076 AU (57,592,302 km) com 24.3 segundos de arco de dimensão e a brilhar uns fulgurantes -2.8 de magnitude.

Marte
Marte 2018-07-31 23:45 UTC
Takahashi CN-212 f/19.4 (4100 mm) e Canon 40D
exp: 27x1/10seg. 200 ISO

Próximas oposições (Ephemeris Tool 4.8)

Perigeu Distância (AU) Oposição Periélio
31-07-2018 07:50 0,38496 27-07-2018 05:13 16-09-2018 12:53
06-10-2020 14:18 0,41492 13-10-2020 23:26 03-08-2020 09:03
01-12-2022 02:17 0,54447 08-12-2022 05:42 21-06-2022 13:06
12-01-2025 13:37 0,64228 16-01-2025 02:39 08-05-2024 10:43
20-02-2027 00:13 0,67792 19-02-2027 15:51 26-03-2026 07:08
29-03-2029 12:55 0,64722 25-03-2029 07:49 11-02-2028 12:13
12-05-2031 03:49 0,55336 04-05-2031 12:04 29-12-2029 13:16
05-07-2033 11:18 0,42302 28-06-2033 01:30 16-11-2031 08:07
11-09-2035 14:20 0,38041 15-09-2035 19:39 21-08-2035 11:34
11-11-2037 07:59 0,49358 19-11-2037 09:10 08-07-2037 06:52
28-12-2039 14:46 0,61092 02-01-2040 15:28 26-05-2039 10:20
05-02-2042 07:56 0,67174 06-02-2042 12:05 12-04-2041 13:35
14-03-2044 06:06 0,66708 11-03-2044 12:51 28-02-2043 09:55
24-04-2046 04:32 0,59704 17-04-2046 18:07 15-01-2045 07:42
12-06-2048 01:40 0,47366 03-06-2048 14:51 20-10-2048 05:37
15-08-2050 12:54 0,37405 14-08-2050 07:52 07-09-2050 07:12
20-10-2052 5:11 0,44091 28-10-2052 06:34 25-07-2052 12:52

E ainda... fica o planeta Neptuno, oitavo e último planeta maior do nosso sistema solar, que por estar a mais de 4 mil milhões de quilómetros, não é propriamente muito fotogénico. Uma bolinha azul com 7.8 de magnitude e apenas 2.3 segundos de arco. Mas faltava este cromo na coleção...

Neptuno
Neptuno 2018-08-01 00:14 UTC
Takahashi CN-212 f/19.4 (4100 mm) e Canon 40D
exp: 27x1/5seg. 1600 ISO

Pátio 295 - Messier 22 à moda do Newton

2018.08.11
Pátio (Leiria 39ºN 08º48'W alt:130m)

Localizado perto da tampa do "bule" da constelação do Sagitário, distando 3000 parsec (9780 anos-luz) (Forbes+, 2008), e com uma respeitosa idade cerca de 12,5 mil milhões de anos (VandenBerg+, 2013), este enxame globular, é visualmente um dos mais espectaculares: é grande, brilhante, muito comprimido, mas no entanto, resolvem-se muitas estrelas, assemelhando-se a um verdadeiro monte de fino açúcar no meio de um mar de estrelas do braço da nossa Galáxia.

Capturei estas imagens do Messier 22, perto do seu trânsito do meridiano, que à latitude do Pátio, sobe pouco mais de 25 graus acima do horizonte, o suficiente para escapar um pouco à poluição luminosa (luz desperdiçada), que infelizmente está por todo o lado.
Com esta configuração, a imagem tem uma amostragem de 1,39 segundos de arco por pixel, e posso afirmar que as condições de observação estiveram bem longe desta marca. Num sistema óptico de f/3.9 a focagem é muito crítica, e com estrelas comáticas nas extremidades do campo, como é fácil constatar na imagem na sua resolução original (clicar na imagem).

Não usei processamento destrutivo (unsharp etc), nem sequer apliquei "darks" nem "flats", pois tenho a impressão que estragam mais do que ajudam: as cores das estrelas ficam muito alteradas e enfim, esta imagem é para ser "ilustrativa" e não científica.
Apenas ajustei os níveis e balanço de cores para que a cor das estrelas fiquem o mais natural possível. A combinação de imagens foi feita com filtro desvio padrão normal 2.0, que basicamente limpa os pixels quentes e até um satélite que se atravessou.

Uma coisa que só agora notei, é que a Canon 40D regista a temperatura do sensor (CMOS)! ora esta!. A temperatura é um parâmetro importante, porque está diretamente relacionado com o ruído da imagem, que no entanto, pode ser subtraído à imagem usando os "darks". Mas tem um senão, a imagem e o "dark" tem que ter a mesma duração, ganho e temperatura que apenas as (boas) câmaras astronómicas refrigeradas conseguem regular com precisão. Escusado será dizer que cada imagem capturada foi a uma temperatura diferente, a primeira tinha 25º e a última 30º.

M22
Messier 22 (NGC 6656)
Takahashi CN-212 f/4 (840 mm) e Canon 40D
exp: 15x60 seg. 800 ISO

Ainda de dia, comecei por montar o kit Newton no CN-212. Este kit transforma-o num simples reflector newtoniano, pois apenas se troca o espelho secundário - um procedimento de 2 minutos.
O que é que o Isaac Newton tem a ver com isto - foi ele que desenhou e construiu o primeiro telescópio com este design.
Usando as ferramentas de colimação e algumas horas da vida, consegui por o secundário alinhado com o primário e o ponto preto muito próximo do centro. As imagens com a Canon 40D, que tem um sensor de tamanho razoável, sairam bastante melhor, com iluminação quase central, mas apenas com as estrelas aceitáveis nos 50% centrais. A focagem foi um pouco ao lado... é difícil avaliar o tamanho das estrelas no pequeno ecrã da máquina fotográfica, que nem sempre está a jeito. A relação focal f/3.9 não perdoa. Nada mesmo.

Coloquei às cavalitas do CN-212 o meu estimado Takahashi FC-60 para fazer autoguiamento. Adoro este pequerrucho. Este telescópio é para mim perfeito. Usá-lo para fazer guiamento é como alimentar burros a pão-de-ló, que neste caso, é o software de seguimento (PHD2) que, com certeza aprecia um campo cheio de estrelas redondinhas e perfeitinhas.
Agarrado a esta pequena maravilha, estava a câmara Atik-16IC monocromática, que foi recentemente despromovida a tirar imagens às mesmas estrelas obsessivamente durante horas.

Aqui da varanda do pátio não é possível ver a estrela polar, por essa razão, o alinhamento polar da montagem estava muito por grosso. Apesar disso, os GO-TO (apontamento assistido por computador), têm caído dentro de um grau de campo, mas outras vezes, descamba para lá da salvação.

Tak CN-212 guide
Takahashi CN-212 em configuração reflector newtoniano

Toda esta geringonça é apenas amplamente suportada no Microsoft Windows, mais precisamente, por culpa do Dot.net, que a plataforma ASCOM obriga a instalar (a meu ver, um erro crasso para portabilidade entre sistemas operativos). Como uso um Apple Macbook, obriga-me a usar uma máquina virtual (VMWare) para correr estes softwares e hardwares (Atik).
No entanto, funciona... O PHD2 é outra maravilha. Simplifica enormemente um sistema auto-guiado. Captura imagens e calibra automaticamente, após a qual começa a seguir obsessivamente uma estrela e a mandar pequenos impulsos para a montagem para corrigir o seguimento, fazendo aquilo que na gíria se diz "guiamento".
E finalmente uso o Nebulosity 4 que pode ser usado tanto no Windows como no Mac para processamento das imagens.

Como o PHD2 usa a plataforma ASCOM, passei a usar o Guide 9 para serviço de GO-TO.
O Telescope Tracer Pegasus 21, que a Takahashi fornece, é um software planetário que ocupa o espaço de um emoji moderno, mas exige a porta de comunicações serial COM só para ele, e isso, não pode aconterver.
Ainda me estou a entender com o "driver" ASCOM para montagens Takahashi desenvolvido como hobby por Faranda. Este tipo merecia uma comenda.

Pátio 296 - NGC 7009 à moda do Cassegrain

2018.08.14
Pátio (Leiria 39ºN 08º48'W alt:130m)

O que não falta no planeta Saturno são nuvens, mas nesta sessão, o alvo foi a nebulosa planetária NGC 7009, precisamente esta que deve ter contribuído muito para dar o nome a esta classe de objetos. Na cor assemelha-se a Urano (daí Herschel ter baptizado com este nome) e em forma, vagamente com o planeta Saturno em telescópios de média/alta abertura.
Obviamente que pouco tem a ver com planetas, mas sim com estrelas que chegaram à fase final da sua vida, largando grandes quantidades de gás, continuamente em expansão em que formam conchas redondas, elípticas ou bipolares e também jactos ou pares de nós que se acumulam nas pontas da nebulosa. É o destino provável do nosso Sol (e do seu sistema solar e arredores) daqui a muito tempo, daí serem alvo para estudo da evolução estelar e do meio estelar (composição química).

Se fosse hoje, e após a fabulosa coleção de imagens do telescópio espacial Hubble, apesar de usar cores falsas, provavelmente chamavam-lhe hoje nebulosas "papilonárias". Nome na minha opinião, tão absurdo como adequado, pois devem ser dos objetos mais bonitos e complexos que se podem diretamente observar e fotografar.

Está nebulosa está situada na constelação do Aquário, com um brilho de 8 magnitude e um tamanho máximo de 41 segundos de arco, e pelas últimas estimativas (Stanghellini+, 2008) situam-na a 1325 parsecs que corresponde a 4320 anos-luz.

Visualmente, com o binóculo 16x70, assemelha-se a uma estrela levemente esverdeada, mas algo difusa e "gorda". No CN-212 (116x e 200x de ampliação) além de muito brilhante é notoriamente elíptica, com um brilho muito uniforme, mas não mostrando praticamente qualquer detalhe.

A cor esverdeada resulta da forte emissão na região do espectro O III, devido à recombinação (oxigénio duplamente ionizado que absorve e volta a emitir fotões da propria estrela ou de outras linhas), ficando na região do espectro visível verde-turquesa-ciano (Peimbert+, 2017).

NGC 7009
NGC 7009
Takahashi CN-212 f/13.4 (2840 mm) e Canon 40D
exp: 3.75 min. (15x15seg.) 800 ISO

Voltando a configurar o CN-212 no modo Cassegrain Clássico, apenas mudando o espelho secundário plano diagonal para hiperbólico, fica o sistema com um extenso comprimento focal efectivo de 2840 mm e relação focal f/13.4 (varia um pouco, pois o espelho primário move-se com a focagem).
Este design é atribuído a Laurent Cassegrain, contemporâneo de Newton, que aproveita, e faz um buraco no primário, permitindo visualizar mais convenientemente a imagem na parte de trás do telescópio. Esta configuração é fotograficamente muito lenta (muito escura), e com demasiada resolução (0,41") para as condições atmosférica que estavam.

Pus a geringonça a auto-guiar, mas não se aguentava mais de 30 segundos sem se notar algum arrasto, ou pior, à mínima vibração como a provocada pelo o espelho da máquina fotográfica a bater, ou o gato (B@lz@c) ou a cadela (P@ndor@) a passar pelo meio dos fios, era o suficiente para estragar a exposição. Cheguei ao compromisso de 15 segundos de exposição (e mandar os bichos estarem quietos), conseguindo assim aproveitar 21 exposições. À semelhança da imagens planetárias (soma de milhares de imagens muito curtas), também estes objetos são propícios a esta técnica de imagem, porque são muito brilhantes e pequenos. Mas esta câmara infelizmente não faz filmes.

A área total da imagem é cerca de 27'x18', tendo sido complicado lá chegar com o GO-TO um pouco azelha, e ter sido obrigado a usar uma ocular para centrar a nebulosa, porque olhando pela câmara não se conseguia discernir nada. f/13 é demasiado escuro. Não ajudou muito ser uma área relativamente pobre em estrelas, e as que existem brilham a partir da magnitude 10.

Pátio 297 - Messier 17 à moda do Newton

2018.08.18
Pátio (Leiria 39ºN 08º48'W alt:130m)

A Messier 17, é uma das mais recentes e massivas regiões de formação de estrelas da nossa Galáxia, tendo menos de 2 milhões de anos de idade, icando em brilho e dimensão, apenas atrás da grande nebulosa de Orion, Messier 42, Messier 42. Com uma região de H II (as zonas avermelhadas) a erupcionar de uma nuvem molecular gigante (zonas esbranquiçadas) (Povich+, 2009), distando cerca de 1814 pc (5900 anos-luz) (Kharchenko+, 2005).

No binóculo, nota-se distintamente a forma de cisne com o pescoço em argola a boiar no rio da Via Láctea (na imagem está a nadar para a 1 hora). No telescópio é possível imaginar algumas "penas" na sua textura irregular devido à mistura caótica de poeira e gás.

Messier 17
Messier 17 (NGC 6618)
Takahashi CN-212 f/4 (840 mm) e Canon 40D
exp: 18x60 seg. 800 ISO